Economia
28 Julho 2021 13:44:00

$artigoImagemTitulo

A capa da edição de julho da revista Indústria & Competitividade, editada pela Federação das Indústrias de SC (Fiesc), aponta que muitas oportunidades estão abertas para o setor industrial catarinense. Segundo a publicação, a pandemia evidenciou que países pouco industrializados estão muito dependentes da Ásia, ao mesmo tempo em que a industrialização volta a ser reconhecida em todo o mundo como fator gerador de desenvolvimento.

O presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, destaca em entrevista que o maior desafio para o Estado aproveitar as oportunidades é promover a articulação entre os setores produtivo, institucional e político para planejar o futuro de Santa Catarina, definindo objetivos, prioridades e estratégias. Criar condições para o crescimento da indústria é o principal objetivo da nova gestão da Fiesc que se inicia em agosto e que realizará o maior ciclo de investimentos da história da entidade, de R$ 510 milhões até 2024.

Na entrevista principal da edição o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia Lucas Ferraz argumenta que a indústria brasileira se enfraqueceu nos últimos anos em parte devido ao isolamento internacional, e explica a estratégia do governo de promover acordos comerciais, modernizar o Mercosul, aumentar a abertura e ampliar a corrente de comércio (importações mais exportações) do Brasil. Em sintonia com a redução do Custo Brasil, as ações deverão elevar a competitividade e a inserção internacional da indústria.

Dentre os setores de Santa Catarina com maior potencial de crescimento no mercado mundial destaca-se a indústria de base florestal, tema de reportagem que detalha os maiores investimentos do setor em curso no Estado e aponta os desafios de garantir a sustentabilidade no fornecimento de matéria prima.

A seção Dossiê Infraestrutura aborda a questão do gás natural, detalhando a demanda existente na indústria catarinense pelo energético e as boas perspectivas para ampliação do fornecimento e redução de preços do combustível. A reportagem destaca o terminal de armazenamento e regaseificação TGS que será construído na Baía da Babitonga, no Norte do Estado, além de suprimentos adicionais na rede existente e a nova legislação para o setor - uma conjunção de fatores que poderá transformar o mercado e dar mais competitividade para a indústria.

Novas oportunidades para a indústria também são abordadas na reportagem sobre Smart Cities, ou cidades inteligentes, um conceito que cresce em todo o mundo. No Brasil, algumas das cidades mais inteligentes estão situadas em Santa Catarina e demandam soluções que envolvem tecnologias de alto valor agregado como Inteligência Artificial, IoT, Big Data, Indústria 4.0, Realidade Virtual e Realidade Aumentada.



Economia
27 Julho 2021 13:02:00

Bolsa sobe 0,76% ajudada por commodities

$artigoImagemTitulo

Em um dia com poucas notícias econômicas no mercado interno, o dólar abriu a semana em queda com a divulgação de dados sobre a economia norte-americana. A bolsa de valores subiu quase 1%, ajudada pela alta do preço de minérios.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (26) vendido a R$ 5,174, com recuo de R$ 0,036 (-0,7%). A cotação iniciou o dia em alta, chegando a R$ 5,23 pouco antes das 10h, mas inverteu o movimento após a abertura dos mercados norte-americanos.

Apesar da segunda baixa seguida, a divisa acumula alta de 4,04% em julho. No ano, o dólar registra queda de 0,29%.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela recuperação. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 126.004 pontos, com alta de 0,76%. O indicador começou próximo da estabilidade, mas ganhou força ainda durante a manhã, impulsionado pelo cenário externo e pela valorização de diversas commodities (bens primários com cotação internacional).

Nos Estados Unidos, a divulgação de que as vendas de novas moradias vieram abaixo do esperado reduziu a expectativa de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) retire os estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19 antes do fim de 2022. Nesta semana, o Fed se reunirá para definir os juros básicos da maior economia do planeta.

Atualmente, os juros básicos nos Estados Unidos estão no menor nível da história, entre 0% e 0,25% ao ano. Taxas baixas por mais tempo beneficiam países emergentes, como o Brasil. Paralelamente, a recuperação do preço do minério de ferro na China estimulou a bolsa brasileira, principalmente as ações ligadas aos setores de mineração e de siderurgia.


Economia
27 Julho 2021 09:46:00
Autor: Por: Assessoria

$artigoImagemTitulo

Nos dias 30 e 31 de julho será realizado um Feirão de Empregos da Karsten. O atendimento acontecerá no dia 30/07, das 9h às 17h, e no dia 31/07, das 9h às 13h, na Associação Karsten, localizada na Rua Heinz Scheidemantel, 103, em Testo Salto - Blumenau. São diversas vagas disponíveis que podem ser consultadas no portal www.karsten.gupy.oi . Os interessados devem comparecer ao local portando carteira de trabalho, RG, CPF e título de eleitor. Vale destacar que em 2020, pelo quarto ano consecutivo, a marca esteve entre as melhores empresas para trabalhar em Santa Catarina, pelo Great Place to Work.



Economia
23 Julho 2021 10:37:00

$artigoImagemTitulo

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) do mês de julho apontou 64,9 pontos em Santa Catarina, frente aos 64,2 pontos registrados no mês de junho. Em âmbito nacional, a pontuação subiu de 61,7 em junho para 62 em julho. O aumento na confiança empresarial, tanto estadual quanto nacional, vem sendo constatado desde maio.

Conforme análise do Observatório da Federação das Indústrias de SC (Fiesc), que realizou a pesquisa, esse aumento progressivo no índice pode ser explicado pela retomada do auxílio emergencial nacional e pelo bom desempenho no avanço da vacinação, que traz boas perspectivas no aumento do consumo de bens e serviços.

Para os próximos seis meses, a expectativa dos empresários catarinenses caiu 0,4 pontos em julho na comparação com junho, registrando 66,3 pontos, ainda acima da média nacional (65,2). Apesar da queda, o índice permanece num patamar bastante elevado, acima do limiar de 50 pontos, indicando uma perspectiva positiva tanto em Santa Catarina quanto no Brasil.

O ICEI é composto por questionários enviados a uma amostra de empresas. O índice é utilizado para avaliar as expectativas atuais e futuras da economia regional e nacional, sob o âmbito dos empresários.



Economia
15 Julho 2021 13:11:00
Autor: Por: agência Brasil

Índice é apurado pela CNC

$artigoImagemTitulo

A confiança do comerciante brasileiro subiu pela segunda vez consecutiva em julho, de acordo com o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

"O indicador seguiu ascendendo em um ritmo forte, com avanço de 11,7% em relação ao mês anterior, chegou a 107,8 pontos e voltou para a zona de satisfação, o que não acontecia desde março deste ano. Em comparação com julho de 2020, o crescimento foi ainda maior: 55,6%", informou a CNC.

De acordo com a pesquisa, o resultado renovou a tendência otimista verificada em junho, quando o Icec registrou crescimento mensal de 12,2% e encerrou um período de cinco quedas seguidas.

"O índice passou a refletir o alento das expectativas dos comerciantes quanto à evolução das medidas de estabilização econômica. A avaliação positiva retrata, principalmente, a percepção de que as condições gerais da economia estão mais favoráveis", disse, em nota, o presidente da CNC, José Roberto Tadros, acrescentando que o avanço da vacinação permite ao país vislumbrar um segundo semestre melhor para o ambiente de negócios.

Segundo o levantamento, com os fortes avanços nos dois últimos meses, o Icec se aproximou do nível de satisfação alcançado em novembro do ano passado (108 pontos). "Isso reforça a relevância desse resultado, pois as perspectivas nesse período de 2020 eram boas por conta da esperança com as vendas de fim de ano", disse o economista da CNC responsável pela pesquisa, Antonio Everton.

Segundo Everton, fatores como a disponibilização da terceira versão da linha de crédito do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) também podem ter contribuído para a melhora da percepção dos empresários neste mês.

Isec

Em julho, todos os componentes do Icec subiram, o que não acontecia desde setembro de 2020. O destaque ficou por conta do indicador que avalia as condições atuais da economia, do setor e da empresa, que apresentou crescimento mensal de 29,2%, atingindo 81,5 pontos.

Em relação à situação econômica do país, houve percepção positiva mais significativa, com 35,8% do total de entrevistados afirmando que a economia melhorou, contra 24,8% no mês anterior. Este resultado impactou diretamente o subíndice que mede as intenções de investimento do empresário do comércio, que avançou 8,5% na comparação com junho.


Economia
14 Julho 2021 13:50:00
Autor: Por: Agência Brasil

Projeção para inflação cresceu para 5,9%, mas deve diminuir em 2022

$artigoImagemTitulo

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia aumentou a projeção para o crescimento da economia este ano e também para a inflação. As estimativas estão no Boletim Macrofiscal divulgado hoje (14).

A projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) passou de 3,5% para 5,3% em 2021, em relação ao último boletim, divulgado em maio. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

O aumento se deve à incorporação do resultado positivo do primeiro trimestre do ano, que "foi melhor que o esperado", com alta de 1,2% na comparação com o trimestre imediatamente anterior, com ajuste sazonal, e superou as estimativas de mercado. "Esse avanço se soma à retomada do crescimento observada nos dois trimestres anteriores, mesmo com o recrudescimento da pandemia de Covid-19 no início deste ano", diz o boletim.

De acordo com o documento, os indicadores de confiança refletem melhoras nas expectativas dos empresários, com crescimento em todos as áreas, em especial no setor de serviços, e boas perspectivas para o segundo semestre, dado o avanço da vacinação da população e redução do distanciamento social. "Conforme o avanço da vacinação em massa, projeta-se crescimento do setor de serviços no segundo trimestre de 2021, que é de importância crucial para a retomada da atividade, do emprego e da renda da população brasileira", diz o documento.

A retomada do investimento em 2021 também é destaque, com alta de 43,6% na produção de bens de capital no acumulado do ano até maio deste ano, frente ao mesmo período do ano anterior. Segundo o boletim, essa recuperação contribuirá para a ampliação da capacidade produtiva neste e nos próximos anos.

Para o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, o caminho para o maior crescimento econômico passa ainda pela continuidade da agenda de reformas estruturais, políticas de consolidação fiscal, privatização e concessões e reformas pró-mercado, além da manutenção do ritmo de vacinação. "Não há dúvidas, hoje a vacinação em massa é a melhor política econômica possível", disse, em coletiva virtual para apresentar os dados do boletim.

Perspectivas

Para os próximos anos, de 2022 a 2025, a estimativa de crescimento do PIB da SPE se manteve em torno de 2,5%.

Entretanto, há incertezas e, para a Economia, ainda é necessário prudência, devido aos efeitos da pandemia e da intensificação do risco hidrológico. "As projeções da atividade para este e para os próximos anos tornam-se particularmente sensíveis à divulgação dos dados e ao desenrolar dos efeitos da covid-19 e do processo de vacinação, principalmente considerando os seus efeitos no PIB de longo prazo. O cenário do setor energético também é outro componente de ampliação da imprevisibilidade", diz o boletim.

Para Sachsida, é importante também iniciar um debate na sociedade sobre os custos de longo prazo da pandemia, como o capital humano, o endividamento das famílias, empresas e governo, os choques na saúde pública e a pobreza.

"Um jovem de 16 anos, se era jovem pobre, ficou ano passado e esse ano sem estudar, perdeu dois anos de educação pelo resto da vida. Esse é um tremendo choque na formação de capital humano. E não há culpado, a pandemia gerou isso", disse. "A pobreza é um custo de longo prazo da pandemia, Infelizmente, aumentou a pobreza no mundo inteiro e não foi diferente com o Brasil, por isso precisamos de um programa mais robusto de combate a pobreza", completou.

Inflação

A projeção de inflação da SPE pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2021 subiu de 5,05% para 5,9%. O valor encontra-se acima da meta de inflação, definida pelo Conselho Monetário Nacional, de 3,75% para o ano, bem como acima do limite superior do intervalo de tolerância, de 1,5 pontos percentuais, ou seja, 5,25%. "No entanto, a expectativa de inflação de mercado no médio prazo encontra-se ancorada e a projeção do IPCA, neste boletim, converge para o centro da meta a partir de 2022 (3,5%)", diz o documento.

A inflação de junho, último mês divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foi de 0,53%, 0,3 ponto percentual abaixo da taxa de maio (0,83%). Em 12 meses, o índice acumula alta de 8,35%.

De acordo com a secretaria, o IPCA tem sido impactado mais fortemente pelas variações ocorridas nos preços dos itens monitorados, ou seja, produtos como gasolina, gás de botijão e medicamentos. No acumulado em 12 meses até junho, esse grupo registrou aumento de 13%. "Esse aumento é decorrente de elevações significativas nos preços dos combustíveis e energia elétrica, diante das alterações nas bandeiras tarifárias", diz o boletim.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) deverá encerrar este ano com variação de 6,2%. Com participação relevante dos produtos agropecuários, a projeção para o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI), que inclui também o setor atacadista e o custo da construção civil, além do consumidor final, é de 17,4%.

"Importante destacar que hoje a inflação em 12 meses é de 8,35%. Ao fechar o ano em 5,9%, estamos mostrando é que a inflação segue trajetória de queda", explicou o secretário Sachsida.

"À medida que continuemos avançando na agenda econômica, vacinando em massa a população, aprovando reformas pro mercado e melhorando a consolidação fiscal, essa trajetória de queda persistirá", disse.


Economia
14 Julho 2021 08:53:00
Autor: Por: Agência Brasil

Estatal de energia passará para o controle privado

$artigoImagemTitulo

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, com vetos, a medida provisória (MP) que viabiliza a privatização da Eletrobras. A sanção presidencial foi publicada na edição desta terça-feira (13) do Diário Oficial da União (DOU). A MP foi aprovada pelo Congresso Nacional no último dia 21 de junho, após passar por votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Ao todo, 14 dispositivos do texto aprovado pelos parlamentares foram vetados por Bolsonaro, incluindo o trecho que reservava 1% das ações da União para compra pelos empregados da companhia, com direito a desconto. Na justificativa do veto, o presidente argumentou que a definição prévia de oferta de ações no valor abaixo do praticado pelo mercado poderia causar distorção no processo de precificação das novas ações a serem emitidas e, com isso, reduzir os recursos a serem captados na capitalização da empresa.

Também foi vetado o dispositivo que previa o aproveitamento dos empregados da Eletrobras e de suas subsidiárias demitidos sem justa causa, pelo período de um ano após a privatização, para atuarem em outras empresas públicas federais, "em cargos de mesma complexidade ou similaridade, com equivalência de seus vencimentos". Na justificativa, o governo sustentou que a medida violaria o princípio do concurso público como forma de ingresso no serviço público.

O texto sancionado ainda vetou trecho que proibia, pelo prazo de dez anos, a extinção, incorporação, fusão ou mudança de domicílio estadual das subsidiárias Chesf (PE), Furnas (RJ), Eletronorte (DF) e CGT Eletrosul (SC). A justificativa dada foi que essa obrigação limitaria a gestão das subsidiárias pela nova empresa, retirando a flexibilidade dos novos acionistas para realizar reestruturações na companhia.

Outros vetos derrubaram a obrigação de a Eletrobras realocar a população que esteja na faixa de linhas de transmissão de alta tensão, no prazo máximo de cinco anos, e a necessidade de que os nomes indicados para diretoria do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) passassem por sabatina no Senado. Neste último caso, o argumento para o veto foi o de que o ONS foi instituído por lei como pessoa jurídica de direito privado, sob a forma de associação civil. Sendo assim, a aprovação prévia pelo Senado dos nomes para compor sua direção interferência no funcionamento da associação. Já em relação à realocação de famílias que vivem em áreas por onde passam linhas de alta tensão, o governo disse que o dispositivo criaria obrigação legal não necessariamente relacionada às concessões da Eletrobras.

O Congresso Nacional ainda pode derrubar os vetos presidenciais. Neste caso, é necessária a rejeição por maioria absoluta dos votos na Câmara dos Deputados e do Senado Federal, ou seja, 257 votos de deputados e 41 votos de senadores, computados separadamente. Se este placar não for alcançado em plenário, o veto é mantido.

Mudanças

Maior companhia do setor elétric?o da América Latina, a Eletrobras detém um terço da capacidade geradora de energia elétrica instalada no país. A empresa também possui quase metade do total de linhas de transmissão do Brasil. Só no primeiro trimestre desse ano, a estatal registrou lucro líquido de R$ 1,6 bilhão.

A MP sancionada permite que a empresa venda ações na bolsa de valores para diminuir a participação acionária da União, que detém cerca de 60% dos papéis da companhia. O governo também não poderá comandar o Conselho de Administração da empresa, mas terá poder de veto sobre as decisões (a cláusula de golden share).

"A nossa capacidade de investimento vem diminuindo e o sistema não pode colapsar, por isso também a privatização", afirmou o presidente Jair Bolsonaro, em cerimônia no Palácio do Planalto para marcar a sanção da MP.

No evento, o ministro da Economia, Paulo Guedes, destacou que a Eletrobras precisa de mais recursos de investimento, por isso a necessidade de capital privado. "Se ela quisesse manter a fatia de mercado, em torno de 30% na produção e 36% na transmissão, ela teria que investir R$ 15,7 bilhões por ano. E a capacidade de investimento dela é R$ 3,5 a R$ 3,6 bilhões", afirmou.

Já o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que a estatal deve crescer ainda mais com a abertura de capital. "A Eletrobras será uma corporação brasileira de classe mundial, com capital pulverizado, focado em geração, comercialização e transmissão de energia, tornando-se uma das cinco maiores empresas de geração renovável no mundo", projetou. 


Desenvolvimento Econômico
14 Julho 2021 08:15:00
Autor: Por: Governo do Estado

$artigoImagemTitulo

Com um dos melhores resultados do país, o setor de serviços apresentou um crescimento de 15,6% nos cinco primeiros meses de 2021. A conclusão é da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado é mais do que o dobro do crescimento do volume nacional, que ficou em 7,3%.

O dado positivo coloca Santa Catarina como o segundo maior crescimento em termos percentuais do país. Quando se leva em consideração tanto o indicador do volume de serviços quanto o peso de cada Estado no resultado nacional, a alta catarinense é a quarta mais significativa do país.

"São dados que reforçam a força da retomada econômica em Santa Catarina. O volume de serviços no Estado já está em patamar 7,8% superior ao de antes da pandemia, enquanto no país agora se chegou a 0,2%. A tendência é de crescimento ainda maior à medida em que avançamos na vacinação dos catarinenses", projeta o governador Carlos Moisés.

Oportunidades ao fim da pandemia

O secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Luciano Buligon, destaca que, no acumulado dos últimos 12 meses, o setor de serviços catarinense teve um avanço de 5,8%. "O setor de serviços, um dos mais afetados pela pandemia, mostra sua reação e Santa Catarina se destaca entre os melhores resultados do país. Os dados evidenciam que estamos preparados economicamente para a retomada, com ações perenes e um cenário de oportunidades rumo ao fim da pandemia", avalia.

Em maio, o crescimento chegou a 2,2%, também acima do índice nacional, que foi de 1,2%. No acumulado do ano, as atividades com maiores altas foram serviços profissionais, complementares e administrativos (30,6%) e transportes, serviços auxiliares ao transporte e correios (20,9%).


Economia
13 Julho 2021 15:17:00

Conheça as estratégias com propósito de empresária de SC

$artigoImagemTitulo

Quantas crises um negócio consegue suportar? Ou ainda, quantas inovações em conjunto podem surgir diante de cenários de crise? No Médio Vale do Itajaí, em Timbó, uma empresária viu no cenário pandêmico e pós-pandêmico de 2020 e 2021 uma oportunidade para reforçar uma metodologia de trabalho: a cooperação com clientes para que o crescimento dos negócios seja horizontal. Seguindo a máxima de que se um cresce todos crescem, Telma Gadotti, da Ultra Comunicação, aproveitou o conhecimento de décadas acumulado entre comunicação e consultoria para pequenos e micro negócios do Sebrae e formatou a maneira de agir.

"Percebi que desde que fundei a Ultra, eu oferecia muito mais do que publicidade. De maneira quase que empática com o negócio alheio, eu me dedicava a uma atuação completa em que agregava ao planejamento do negócio estratégico como um todo e quando tudo estivesse alinhado, aí sim, iniciava as ações de comunicação via Ultra. Com a pandemia, meus clientes chegaram até a Ultra desejando inovar, precisavam de um apoio nesse estágio mais da gestão, e eu via ali a oportunidade de auxiliar clientes fidelizados (todos especiais para mim), quanto oferecer o mesmo expertise a demais empresários e empreendedores que passavam pelas consequências impostas pela Covid-19", explica Telma.

Foi nesse momento que a Ultra passou a ter um pilar de negócios e não apenas marketing e comunicação. E, assim, colocou como meta atuar para que a economia, em especial das cidades em que estão os clientes, pudesse se reerguer com a força coletiva e não apenas de um empresário/empreendedor.

Para entender a importância desse "semear"

Em Santa Catarina, por exemplo, um recente levantamento do Sebrae apontou que 114 mil empresas estão inoperantes no Estado devido ao momento Covid-19. Telma vem na contramão desse cenário. A empresa fundada há mais de 15 anos mais do que duplicou o número de colaboradores, fato que exigiu uma mudança para uma sede igualmente maior, dos 90 metros quadrados antigos, agora a equipe ocupa 200 metros quadrados de um espaço projetado para transmitir inovação em ideias e postura. E Telma não vem sozinha nessa colheita. Clientes da casa como a indústria Baher, que atende todo o país e exporta para países da América e Egito, uma das líderes em Mesas com Regulagem, mesmo diante de tantas incertezas, criou três novas marcas, cada uma com o segmento bem específico.

Quem também vislumbrou ampliações entre 2020 e 2021 foi o Grupo Linear, uma das líderes em Ralos Lineares em todo o país, que ampliou o mercado e se reposicionou, criando quatro novas marcas. "Claro que os exemplos citados não foram trabalhos de apenas alguns meses. Aí que entra a expertise de equipe Ultra. Quando nos envolvemos com um cliente, auxiliamos numa visão de curto a longo prazo, com estratégias bem definidas e um cronograma de ações que vão desde treinamento de equipes à execução dos projetos", reforça Telma.

Para finalizar, Telma dá cinco dicas para quem quer aproveitar o momento para se ressignificar e sair de num cenário de pessimismo, demissões ou faturamento no vermelho:

1- Propósito: se o seu objetivo for lucro, sua visão está errada. O propósito é algo que norteia, que dá sentido à uma atividade. O lucro é consequência. Propósito nos inspira a sair da cama e sempre fazer o melhor;

2- Antes de começar a agir, pare e pense. Analise cenários, estatísticas, negócios que servem como inspiração e contem com a opinião de especialistas em diferentes áreas. Intuição nem sempre é uma boa amiga conselheira;

3- Fez o negócio de casa certinho, aí sim vá ao mercado e conte suas vitórias. Mas atenção, a comunicação também tem que contar com uma análise profissional. Em tempos de tamanha velocidade em que as coisas correm, qualquer dado infundado vira Fake News;

4- Valorize e escute quem está junto nessa caminhada. Como diz o ditado, a união faz a força, e é nessa hora que se vê a importância de um time de colaboradores conectado e alinhado em busca do mesmo objetivo;

5- Mostre seus diferenciais e sua essência ao público-alvo. Se comunique, explique e indique quem é você ou sua marca. Atualmente, as formas de se fazer isso são diversas, por isso fique atento para buscar uma estratégia que realmente vá atingir seu verdadeiro objetivo e trazer resultados satisfatórios ao seu negócio.



Financeiro
12 Julho 2021 08:50:00

$artigoImagemTitulo

Desde o seu lançamento, o Pix caiu no gosto do mercado e vem se consolidando cada vez mais como um importante instrumento para a realização de transferências financeiras. No Sicoob, o Pix já é responsável por 74,5% do total de transferências, com um volume financeiro de R$ 113,5 bilhões e 68,5 milhões de transações. São mais de 2,2 milhões de chaves ativas, cadastradas pelos cooperados e poupadores.

Por esse motivo, o Sicoob está trabalhando incansavelmente na busca de evoluções do produto e implantação de várias funcionalidades. Entre elas, estão o Pix Agendado, o Pix Conta Salário e o Pix Cobrança, uma espécie de "boleto sem papel" que estará disponível a todos os cooperados.

O Sicoob também foi pioneiro no desenvolvimento de uma plataforma destinada à utilização pelo microempreendedor e pequenas empresas. Essa ferramenta, além de permitir a geração de QR Codes personalizados para cada funcionário (garçons, vendedores, entregadores ou operadores de caixa), permite a emissão de relatórios, gráficos e outros instrumentos de gerenciamento financeiro e de vendas pelo comerciante. O Sicoob está, ainda, preparando a oferta do Pix nas suas maquininhas Sipag, além de inclui-lo como forma de pagamento no seu marketplace, o Coopera.

Segundo o superintendente de Operações Bancárias, Gil Marcos Saggioro, apesar de o Banco Central permitir a cobrança de tarifas para a utilização do Pix, no Sicoob as transações são totalmente gratuitas, inclusive para pessoas jurídicas, reforçando o compromisso institucional de disponibilizar um portfólio de produtos e serviços cada vez mais abrangente e com melhores condições para os cooperados.



Economia
07 Julho 2021 16:49:00
Autor: Por: Agência Brasil

Medida beneficia também produtores rurais e microempreendedores

$artigoImagemTitulo

Medida provisória (MP) que cria o Programa de Estímulo ao Crédito (PEC) foi publicada nesta quarta-feira (7) no Diário Oficial da União. Diferentemente de outra MP já editada pelo governo, a 992/20, que cria o Programa de Capital de Giro para Preservação de Empresas (CGPE), a nova MP tem como alvo apenas micro e pequenas empresas, produtores rurais e microempreendedores individuais, sejam pessoas físicas ou jurídicas, com receita bruta anual de até R$ 4,8 milhões.

Segundo a Secretaria-Geral de governo, o PEC cria incentivos para os bancos emprestarem a essas empresas e empreendedores, "ao conceder um tratamento mais vantajoso à base de capital das instituições financeiras participantes". Pelo texto, o programa será capaz de gerar até R$ 48 bilhões em crédito. A operacionalização se dará com recursos das próprias instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central.

Se aprovada pela Câmara e pelo Senado, ficará a cargo do Conselho Monetário Nacional fixar as regras gerais desses empréstimos, como taxa de juros, duração e carência. Já a supervisão do programa ficará sob a responsabilidade do Banco Central.

A expectativa do governo, com a medida, é garantir a oferta regular de serviços e programas voltados à população em geral, especialmente a mais vulnerável, para minimizar os efeitos provocados pela pandemia de covid-19.


Economia
07 Julho 2021 16:38:00
Autor: Por: Agência Brasil

Petrobras afirma que preço segue patamar internacional de preços

$artigoImagemTitulo

Os preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha (GLP) sobem nesta terça-feira (6) nas refinarias. De acordo com a Petrobras, a gasolina aumenta, em média, R$ 0,16 (6,3%), fazendo com que o litro do combustível saia de R$ 2,53 e chegue a R$ 2,69.

O diesel tem médio de R$ 0,10 (3,7%) por litro, e passa a custar R$ 2,81 nas refinarias da Petrobras. O gás de cozinha (GLP) para as distribuidoras sobe R$ 3,60 por quilograma (kg), refletindo um aumento médio de R$ 0,20 por kg.

Segundo a Petrobras, os reajustes acompanham a elevação nos patamares internacionais de preços de petróleo e derivados.

A empresa informa também que evita repassar imediatamente a volatilidade externa aos preços do mercado interno, mas busca o equilíbrio de seus valores com o mercado internacional e a taxa de câmbio.

Segundo a estatal, tal alinhamento "é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga suprido sem riscos de desabastecimento pelos diferentes setores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileira".

Até chegar aos consumidores finais, os preços cobrados nas refinarias da Petrobras na venda às distribuidoras são acrescidos de impostos, custos para a mistura obrigatória de biocombustível, margem de lucro de distribuidoras e revendedoras e outros custos.

"Para o GLP especificamente, conforme Decreto nº 10.638/2021, estão zeradas as alíquotas dos tributos federais PIS e Cofins incidentes sobre a comercialização do produto quando destinado para uso doméstico e envasado em recipientes de até 13 kg", explica a Petrobras, que acrescenta que, no caso do GLP, o preço final é acrescido do custo de envase nas distribuidoras.


Economia
07 Julho 2021 15:56:00
Autor: Por: Agência Brasil

Essa é a segunda alta consecutiva do indicador

$artigoImagemTitulo

O comércio varejista nacional teve alta de 1,4% em seu volume de vendas na passagem de abril para maio deste ano. Essa é a segunda alta consecutiva do indicador, que já havia subido 4,9% de março para abril. O dado é da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada hoje (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O setor também teve crescimentos de 1,1% na média móvel trimestral, 16% na comparação com maio de 2020, 6,8% no acumulado do ano e 5,4% nos últimos 12 meses.

A receita nominal cresceu 2,4% em relação a abril, 29,8% na comparação com maio do ano passado, 18,1% no acumulado do ano e 13,3% nos últimos 12 meses.

A alta de 1,4% no volume de vendas de abril para maio foi puxada por sete das oito atividades pesquisadas pelo IBGE. A exceção foi o segmento de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos, que recuou 1,4%.

Entre as altas, o destaque ficou com tecidos, vestuário e calçados (16,8%) e combustíveis e lubrificantes (6,9%). Os demais setores com crescimento foram: outros artigos de uso pessoal e doméstico (6,7%), livros, jornais, revistas e papelaria (1,4%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (3,3%), supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1%) e móveis e eletrodomésticos (0,6%).

Varejo ampliado

O varejo ampliado, que também inclui veículos e materiais de construção, teve alta de 3,8% em seu volume de vendas na comparação com abril. Os materiais de construção cresceram 5%, enquanto os veículos e peças tiveram alta de 1% no período.

Segundo o IBGE, o varejo ampliado teve altas de 26,2% na comparação com maio de 2020, de 12,4% no acumulado do ano e de 6,8% no acumulado de 12 meses. Na receita nominal, houve aumentos de 4,7% na comparação com abril deste ano, de 41,1% em relação a maio de 2020, de 24,6% no acumulado do ano e de 15% em 12 meses.


Economia
07 Julho 2021 08:39:00
Autor: Por: Agência Brasil

Novos valores entram em vigor no dia 1º de agosto

$artigoImagemTitulo

A Petrobras anunciou, nesta terça-feira (6), que fará um reajuste de 7% no preço do gás natural vendido às distribuidoras. Segundo a estatal, os novos valores estarão em vigor a partir do dia 1º de agosto.

"A variação decorre da aplicação das fórmulas negociadas nos contratos de fornecimento, que vinculam o preço à cotação do petróleo e à taxa de câmbio. As atualizações dos preços dos contratos são trimestrais. A referência para esses ajustes é a cotação dos meses de abril, maio e junho. Durante esse período, o petróleo teve alta de 13%, seguindo a tendência de alta das commodities globais; e o Real teve valorização de cerca de 4% em relação ao dólar, em consequência, o ajuste será de 7% em R$/m³", informou a companhia.

O preço final ao consumidor, de acordo com a Petrobras, não é determinado apenas pelo preço de venda da companhia, mas também pelas margens das distribuidoras. No caso do GNV, o valor final será dado pelos postos de revenda e pelos tributos federais e estaduais. Além disso, o processo de aprovação das tarifas é realizado pelas agências reguladoras estaduais, conforme legislação e regulação específicas.


História
07 Julho 2021 08:36:00
Autor: Por: Redação TN

Além disso, o grupo está abrindo mais de 100 oportunidades de emprego

$artigoImagemTitulo

Na quinta-feira, dia 8 de julho, o Grupo Kyly completa 36 anos de história. No entanto, não é só o aniversário que será comemorado, isso porque a empresa segue sua expansão aumentando o ritmo da operação industrial, com produção de 30 milhões de peças por ano. Para atender essa demanda, houve um aumento significativo no quadro de colaboradores, que já é maior que no período anterior à pandemia. Além disso, com o mercado aquecido, ainda há mais de 100 novas oportunidades abertas, nas áreas administrativa e industrial.

A empresa, considerada a maior do vestuário têxtil infantil do Brasil, atua com a estratégia de multicanalidade, ampliando cada vez mais as possibilidades de relacionamento e conexão com os clientes. Está presente em mais de 10 mil pontos de vendas multimarcas em todo o Brasil, no franchising com a rede de lojas Milon, onde tem projeção de chegar a 80 operações até final de 2021, e ainda conta com forte participação no mercado on-line, com seus sites próprios e em grandes marketplaces.

Já no mercado exterior, as parcerias foram mantidas após a pandemia, expandindo para novos países, como Estados Unidos, por exemplo. Atualmente o grupo exporta para 30 países, com média de crescimento de 25% ao ano.

Com a sua fiação própria, a Fio Puro, considerada uma das mais modernas da América Latina, a empresa é verticalizada. Do floco de algodão até a distribuição final, todas as etapas de fabricação são realizadas internamente garantindo mais qualidade e controle dos processos.

No ano de comemoração dos 36 anos, a empresa lança no mercado uma nova marca, a Lemon Kids, que chega para o consumidor final em agosto. A marca traz versatilidade e criatividade em peças para os meninos do tamanho 1 ao 14 e complementa o mix com as outras cinco marcas do Grupo: Kyly, Milon, Nanai, Amora e Lemon, que vestem desde bebês até o tamanho 20.

No primeiro trimestre desse ano, o Grupo Kyly também firmou contrato de parceria com a empresa Mania Jeans, empresa especializada na fabricação de jeans infantil, de Minas Gerais. O objetivo é oferecer uma solução completa de confecção infantil e juvenil para o mercado, com peças em malha, tecido plano e agora também em jeans.

Para marcar esta celebração de aniversário, comemorado no próximo dia 8 de julho, alusivo aos 36 anos, a empresa convidou seus colaboradores a contarem suas histórias com o Grupo. Mensagens de gratidão, superação e evolução estão movimentando todos os canais de comunicação e viraram uma ilustração. As histórias estão disponíveis nas redes sociais da empresa.

O Grupo Kyly continuará escrevendo sua história com respeito, integridade e valorização das pessoas. Inovando todos os dias, com tecnologia avançada, muita criatividade e zelo pelas pessoas.



Economia
06 Julho 2021 10:08:00

$artigoImagemTitulo

Pesquisa de avaliação das vendas de Dia dos Namorados realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de SC (Fecomércio/SC) aponta para melhora da situação financeira dos catarinenses em 2021. Segundo o estudo, 41,1% dizem estar em uma condição melhor do que no ano passado, 36% está igual, 21,6% está pior, e 1,2% não sabem ou não responderam.

O avanço da percepção de melhora com o próprio bolso fez crescer o número de pessoas que realizaram compras para a data, segundo a entidade. Em 2020, 67,1% dos consumidores que planejaram adquirir um presente realmente foram às compras; esse percentual subiu para 73,2% em 2021. No mesmo sentido, caiu o número daqueles que desistiram: de 32,9% para 26,8%.

O otimismo também puxou a melhora de desempenho do setor do comércio para a data, de 11,7%, conforme pesquisa anterior. O estudo apontou também aumento do gasto médio de 10,5%.

A Fecomércio/SC também mapeou as preferências dos consumidores. Os quesitos preço e promoção cresceram de importância na hora de decidir sobre a compra. Por outro lado, a avaliação sobre o produto em si ou o local de compra perderam influência.

A intenção de economizar também se refletiu no número médio de presentes, que foi de 1,21 - o segundo menor dos últimos cinco anos, perdendo apenas para 2020, o ano mais impactante da pandemia.



Mercado de Trabalho
30 Junho 2021 08:10:00
Autor: Por: Governo do Estado

$artigoImagemTitulo

Os últimos dias de junho chegaram carregados de boas notícias para quem deseja uma recolocação no mercado de trabalho catarinense. O Sistema Nacional do Emprego de Santa Catarina (Sine) oferece 7.226 vagas no estado, entre elas, 147 para Pessoas com Deficiência (PCDs).

Há ofertas para diferentes especialidades, níveis de escolaridade e salários. Uma das formas de se candidatar é pelo aplicativo Sine Fácil. Outra opção é agendar um horário para atendimento em uma agência do Sine para o preenchimento do currículo.

Segundo o diretor de Emprego e Renda da SDE, Diego Goulart, no topo do ranking das cidades com maior número de vagas está Brusque. "São mais de 1.276 oportunidades, sendo 20 para PCD. Outros destaques são os municípios de Concórdia, São Miguel do Oeste, Jaraguá do Sul e Blumenau", destaca ele.

Há, também, 119 oportunidades na Grande Florianópolis, sendo 103 na Capital, 10 em São José, quatro em Biguaçu e duas em Palhoça. No Oeste catarinense são 2.507. Quando se trata do Vale do Itajaí o Sine intermedia 1.848 vagas, o Norte do Estado está com quase 900, já no Sul 820 e 65 na Serra catarinense.

Importante destacar que, para aumentar as chances do candidato conseguir uma oportunidade de trabalho, é necessário preencher e atualizar o cadastro, para que assim, mais ofertas sejam compatíveis com o perfil profissional do trabalhador.

Cidades com vagas em aberto

Abelardo Luz 01

Araquari 06

Araranguá 44

Balneário Camboriú 92 - PCD 03

Biguaçu 04

Blumenau 277 - PCD 23

Braço do Norte 131

Brusque 1276 - PCD 20

Caçador 21

Camboriú 28

Campos Novos 130

Canelinha 03

Canoinhas 15

Capinzal 74

Chapecó 185 - PCD 24

Cocal do Sul 22

Concórdia 952

Criciúma 111 - PCD 34

Curitibanos 51

Florianópolis 103 - PCD 06

Forquilhinha 02

Fraiburgo 41 - PCD 01

Garuva 15

Gaspar 240

Içara 19

Ibirama 35

Imbituba 07

Indaial 171 - PCD 01

Itaiópolis 189

Itajaí 87

Ituporanga 58

Jaguaruna 08

Jaraguá do Sul 285

Joaçaba 49

Joinville 203 PCD 19

Lages 13

Laguna 09

Mafra 74

Morro da Fumaça 38

Navegantes 45

Nova Veneza 22

Palhoça 02

Papanduva 06

Penha 02

Pomerode 62

Rio do Sul 61 - PCD 01

Rio Negrinho 112 - PCD 18

São Bento do Sul 109

São Carlos 50

São Francisco do Sul 49

São João Batista 02

São José 10

São Miguel do Oeste 786

Seara 144

Siderópolis 32

Taió 29

Tijucas 60

Timbó 27

Tubarão 236

Turvo 45

Urubici 01

Urussanga 11

Videira 29

Xanxerê 225


Economia
29 Junho 2021 17:27:00
Autor: Por: agência Brasil

Reajuste de 52% será pago a partir de julho

$artigoImagemTitulo

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou, hoje (29), em Brasília, o índice de reajuste do valor da bandeira tarifária a ser pago pelos consumidores na conta de luz a partir de julho.

Com isso, o custo da bandeira vermelha 2, o mais alto do sistema, aumenta de R$ 6,24 para R$ 9,49 para cada 100 kwh (quilowatt-hora) consumidos - um reajuste de 52% sobre o valor que já vinha sendo cobrado desde junho e que a agência prevê que siga em vigor até pelo menos novembro, devido ao baixo índice de chuvas em boa parte do país e a consequente queda do nível dos reservatórios hídricos.

A diretoria da agência também decidiu os novos valores para as outras bandeiras. A amarela será de R$ 1,874 a cada 100 kWh e a vermelha patamar 1, de R$ 3,971 a cada 100 kWh. A bandeira verde, que indica boas condições de geração de energia, é gratuita desde a adoção do sistema, em 2015.

O índice de reajuste aprovado foi defendido pelo diretor-geral da Aneel, André Pepitone, para quem o nível de reajuste das tarifas não configura um aumento imprevisto para os consumidores.

"A questão da bandeira é, acima de tudo, uma ferramenta de transparência, pois, sinaliza, mês a mês, as condições de geração [energética] no país. [Condições estas] que refletem os custos cobrados. Não existe, portanto, um novo custo. É um sinal de preços que mostra ao consumidor o custo real da geração no momento em que ela ocorre. Dando, inclusive, oportunidade do consumidor de se preparar e adaptar o seu consumo, fazendo um uso mais consciente da energia", disse Pepitone, afirmando que o país enfrenta uma "crise hídrica que se reflete no setor elétrico", obrigando o acionamento de usinas térmicas, mais caras.

Participação pública

Por sugestão do diretor Sandoval de Araújo Feitosa Neto, a Aneel ainda vai discutir a realização de uma audiência pública para, nas palavras de Neto, "trazer à luz o cenário que estamos vivenciando". Segundo ele, simulações técnicas demonstram que o país está em meio a um "cenário hidrológico excepcional" que exige "um tratamento extraordinário das bandeiras tarifárias" a fim de evitar prejuízos ao sistema.

"Há grande probabilidade de termos, no segundo semestre, cenários mais críticos do que o histórico até aqui conhecido", declarou Neto, admitindo que, para zerar o risco de déficit projetado, seria necessário elevar ainda mais o valor do patamar 2 da bandeira vermelha.

"Mantido o nível de cobertura da bandeira vermelha, patamar 2, é bastante provável que haja déficit de arrecadação, ou seja, que os custos superem as receitas geradas pelo mecanismo", acrescentou. "Se nada for feito e a bandeira permanecer com os resultados da metodologia [aplicada nos estudos], teríamos, de julho a dezembro, um déficit de aproximadamente de R$ 5 bilhões na conta-bandeira, com uma probabilidade acima de 78% de ser, de fato, acima de R$ 2 bilhões."

De acordo com o diretor-geral da agência, André Pepitone, em abril o déficit chegava a R$ 1,5 bilhões. "Em boa parte do ano de 2020, houve um superavit de R$ 1,5 bi. Isto se degradou a partir de setembro/outubro, quando este superavit virou déficit", comentou Pepitone, prevendo que o déficit tende a aumentar a partir de julho.


Energia
28 Junho 2021 09:45:00
Autor: Por: Rede Catarinense de Notícias

$artigoImagemTitulo

O Gás Natural Veicular (GNV) manterá competitividade frente à gasolina e ao etanol mesmo após reajuste, que acontecerá a partir de julho. A projeção, realizada pela Companhia de Gás de SC (SCGÁS), pode ser consultada em uma ferramenta criada pela distribuidora que promove um comparativo entre os combustíveis.

A tarifa do combustível em Santa Catarina é regulada pela Agência Reguladora dos Serviços Públicos de SC (Aresc) e sofre duas variações ao ano no preço de distribuição aos postos, em janeiro e julho, diferente de outros combustíveis, que variam quase mensalmente.

Atualmente, há cerca de 112 mil usuários de GNV com carros emplacados em Santa Catarina, segundo dados do Denatran. A frota é composta, em sua maioria, por motoristas de aplicativo e representantes comerciais, que percorrem grandes distâncias com seus veículos diariamente. Esses proprietários resgatam os investimentos nas instalações dos Kits GNV mais rapidamente.

"Cada vez mais motoristas estão adaptando seus veículos e economizando com o GNV. Isso se deve a competitividade histórica do produto, o fenômeno do transporte por aplicativos, e também pela segurança regulatória que nos permite expandir cada vez mais ampliar a oferta do produto", diz o presidente da SCGÁS, Willian Anderson Lehmkuhl.

Para o presidente da Associação das Convertedoras de Gás Natural (ACGNV), Layonn Volpato, a tarifa regulada acaba "trazendo mais estabilidade ao usuário" e é um dos fatores que levam os motoristas a optarem pelo GNV.

Por conta dessa regulação, a tarifa fica congelada por seis meses no Estado, sofrendo reajustes, ordinariamente, influenciada por preços do petróleo tipo brent no cenário internacional, que é a mecânica de precificação estabelecida para o gás natural em todo o país.

Em maio, a competitividade do GNV foi de 47% em relação à gasolina e de 58% quando comparado ao etanol, segundo cálculo realizado pela SCGÁS com dados da Associação Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Além disso, a SCGÁS comercializa o GNV aos postos por 2,3725 R$/m³, o valor mais baixo entre todas as distribuidoras do país.

Outra vantagem do GNV é a segurança em relação aos demais combustíveis, pois os usuários realizam inspeções anuais. "Todos os carros a gás natural fazem inspeções anuais visando sempre a segurança em todos os sentidos, não apenas do kit mas do veículo em geral, como teste em freios, suspensão e iluminação", explica Volpato.


Economia
26 Junho 2021 11:40:00
Autor: Por: Agência Brasil

Até 7 de julho, cerca de 31 milhões de segurados recebem os recursos

$artigoImagemTitulo

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) iniciou hoje (24) o pagamento da segunda parcela do 13º salário de aposentados e pensionistas. Até 7 de julho, o instituto conclui o pagamento para cerca de 31 milhões de segurados. A data do depósito é de acordo com o número final do benefício (começa pelo 1), sem levar em conta o dígito verificador.

O pagamento é feito em duas parcelas. A primeira, correspondente a 50% do benefício devido no mês de maio de 2021, foi paga com os benefícios dessa competência - de 25 de maio a 8 de junho. A segunda parcela está sendo paga junto com os benefícios da competência do mês de junho de 2021 - de 24 de junho a 7 de julho. Normalmente, o pagamento ocorre nas competências de agosto e novembro.

Quem passou a receber o benefício depois de janeiro, terá o valor será calculado proporcionalmente.

Calendário

Imposto de Renda

A segunda parcela do 13º salário pode ter um valor diferente da primeira devido ao desconto do Imposto de Renda (IR). Essa tributação varia conforme a idade: para aposentados a partir de 65 anos, há isenção extra do Imposto de Renda e só é cobrado se o benefício superar R$ 3.807,96. Já o segurado com idade até 64 anos paga IR caso receba acima de R$ 1.903,98.

Quem tem direito

Tem direito ao 13º salário quem, durante o ano, recebeu benefício previdenciário de aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente ou auxílio-reclusão. Não têm direito ao abono anual os que recebem benefícios assistenciais, como Benefício de Prestação Continuada da Lei Orgânica da Assistência Social (BPC/Loas) e Renda Mensal Vitalícia (RMV).

Impacto econômico

A expectativa da Secretaria da Previdência do Ministério da Economia é injetar cerca de R$ 52,7 bilhões na economia, com o pagamento do 13º salário. De acordo com o ministério, a medida não tem impacto orçamentário, já que haverá somente a antecipação do pagamento do benefício, sem acréscimo na despesa prevista para o ano.



Endereço: Avenida 21 de Janeiro, 1845, Centro - Pomerode SC
Fone: (47) 3387-6420 | Whatsapp: (47) 99227-2173 | jornalismo@testonoticias.com.br
Sobre o jornal | Facebook | Instagram | YouTube