Na Alemanha

Pomerodense relata a rotina na Alemanha com a chegada do coronavírus

Foto: Arquivo pessoal
Alemanha: Robert von der Heyde descreveu as medidas adotadas pelo governo e a postura da população.

A Europa é, até o momento, o continente mais afetado pelo novo coronavírus. A pandemia que agora coloca os brasileiros em alerta, chegou por lá muito antes. O pomerodense Robert von der Heyde, mais conhecido como Billy, mora há três anos na Alemanha, em Lübeck, no estado de Schleswig-Holstein.

Ele conta que o primeiro caso foi registrado no país em 27 de janeiro de 2020, na Baviera, e que a postura do governo foi imediata. "Uma quantidade enorme de testes foram realizados para identificar os casos desde o início. Os que restaram positivos foram isolados, os mais graves em hospitais e, os menos, em casa", explica.

A exemplo do que ocorre nesse momento no Brasil e em vários países do mundo, a população da Alemanha foi orientada a evitar contato interpessoal e permanecer em casa o maior período de tempo possível. "Está sendo denominado 'distanciamento social'. Esta medida está sendo adotada parcialmente, uma vez que o transporte coletivo urbano está em funcionamento e algumas empresas permanecem em atividade, mesmo que de forma restrita e com medidas adaptadas à situação. Além disso, mercados, padarias e farmácias continuam operando. A Rede de ensino está completamente paralisada", descreve.

Billy revela que as medidas de restrição foram intensificadas nas últimas duas semanas, além disso, desde o domingo, dia 22, estão proibidos encontros com mais de duas pessoas. "Exceção feita a pessoas que vivem na mesma casa ou para reuniões de trabalho (principalmente nos hospitais) ou em casos de necessidade extrema. Essa medida tem validade inicial de duas semanas, podendo e possivelmente sendo ampliada. A multa para quem desrespeitar pode chegar a 25 mil euros (algo como 130 mil reais)", explica.

Ainda conforme o relato de Billy, há um bom entendimento da população devido á necessidade de acatar essas medidas. "Quanto ao sistema de saúde, a Alemanha tem um dos maiores números de leitos no mundo, e mostrou muita competência ao realizar exames em massa e reduzir assim a quantidade de contágio", contextualiza.

Ainda sobre a postura da população, Billy conta ter acontecido no sábado, dia 14 de março, uma espécie de corrida aos mercados, atribuída por ele a algumas informações desencontradas. "Aqui também surgem algumas 'fake news', se bem que numa proporção muito pequena se comparado ao Brasil, por exemplo. Logo a chanceler [Angela Merkel] e alguns ministros vieram à público e tranquilizaram os mais ansiosos. Os mercados estão abastecidos, com algumas faltas pontuais; a população comprando o necessário, de forma civilizada e ordeira. Lógico que exceções comportamentais acontecem, mas de maneira geral está tudo tranquilo. O mesmo vale para as farmácias".

Arquivo pessoal/

A Alemanha optou por fechar suas fronteiras já no dia 16 de março, inicialmente com França, Suíça e Áustria, posteriormente com os demais países fronteiriços. Têm passagem livre as mercadorias essenciais, agentes de saúde e moradores que trabalham do outro lado fronteira.

Até o momento, os estados alemães mais afetados são a Baviera, Renânia do Norte-Vestfália e Baden-Württemberg, onde medidas restritivas mais severas foram impostas. "Aqui ao Norte, onde estou e onde se encontra o estado de Mecklenburg Vorpommern (Pomerânia Ocidental) a situação é menos grave", descreve.

Com a pandemia, o mundo todo vive tempos difíceis. Na Europa, de maneira geral, todos os países adotaram medidas restritivas e estão com suas atividades econômicas total ou parcialmente estagnadas. "Essa situação deve perdurar nas próximas semanas. A Alemanha, especificamente, já está tomando medidas de cunho econômico e que, não tenho dúvidas, terão sucesso. Mais uma vez tendo papel de ponta na condução da Europa para uma rápida recuperação. É um sentimento pessoal", finaliza.

Casos confirmados na Alemanha 
Até a quarta-feira, dia 25, a Alemanha possuía, de acordo com o Robert Koch Institute, 33.312 casos confirmados, com 162 mortes registradas, o que resulta em uma taxa de mortalidade menor do que 0,5%, muito menor do que a média europeia e mundial. Reflexo da eficiência demonstrada pelo sistema de saúde do país e da estratégia de enfrentamento à doença.   


Imagens


LEIA TAMBÉM


O integrante do STF condicionou a validade dos acordos individuais à manifestação favorável dos sindicatos


O montante, de R$ 300 mil, diz respeito ao repasse para cobertura das despesas da Casa Legislativa no mês de abril


Prorrogação de prazos, diminuição de juros e ajuste de taxas estão entre ações realizadas


A ação tem como objetivo ajudar instituições beneficentes da região




Endereço: Avenida 21 de Janeiro, 1845, Centro - Pomerode SC
Fone: (47) 3387-6420 | Whatsapp: (47) 99227-2173 | jornalismo@testonoticias.com.br
Sobre o jornal | Facebook | Instagram | YouTube