Mercado
08 Abril 2021 14:29:00

$artigoImagemTitulo

A Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Santa Catarina (FCDL/SC) aponta um crescimento de 2,45% nas vendas na Páscoa deste ano em comparação com a mesma data do ano passado. Os produtos que puxaram o índice positivo foram os tradicionais chocolates, mas também houve incremento nas vendas de itens de vestuário e acessórios.

"A pandemia ainda segura o consumidor, mas o crescimento registrado já é um importante sinal de melhora. Com o avanço da vacinação, a expectativa é para uma retomada gradativa nos próximos meses", avalia o presidente da FCDL/SC, Ivan Roberto Tauffer.

O levantamento foi realizado com base nos dados do SPC/SC. A Federação também segue orientando o comércio catarinense para o rigoroso cumprimento das regras sanitárias, obedecendo aos protocolos estaduais e municipais.

Para impulsionar as vendas na Páscoa, a FCDL/SC, também promoveu a campanha institucional com o tema "Chocolate ou presente?", incentivando que independente de presentear com chocolate ou outros produtos, os consumidores aproveitassem as vantagens do comércio local.


Economia
07 Abril 2021 14:39:00
Autor: Por: Agência Brasil

Para cada dependente, limite de dedução é de R$ 2.275,08

$artigoImagemTitulo

Contribuintes divorciados - e que tenham filhos - podem deduzir os gastos que tiveram com esses dependentes na declaração do Imposto de Renda (IR). Os dependentes, nesse caso, podem ser filhos e enteados de até 21 anos, até 24 anos se ainda estiverem estudando, ou ainda de qualquer idade se forem incapacitados para trabalhar. Para cada dependente, o limite de dedução é de R$ 2.275,08. A lista completa de quem pode ser considerado dependente na declaração deste ano pode ser conferida aqui .

Pelas regras do Imposto de Renda, um mesmo filho não pode constar como dependente na declaração de mais de uma pessoa. Se uma das partes o declarou como dependente, a outra deve declará-lo como "alimentando". Por isso, antes de preencher a declaração, é preciso destacar que há uma diferença entre dependente e alimentando, que são figuras distintas no IR. Esses conceitos precisam ficar claros, especialmente para os divorciados, para que não haja confusão ao preencher a declaração.

O alimentando é aquele que, mediante decisão judicial ou acordo feito por escritura pública, como o acordo de divórcio, por exemplo, é beneficiário de pensão alimentícia. Já quem detém a guarda, pode declará-lo como dependente. E, nesse caso, somente quem detém a guarda poderá deduzir despesas com o filho, que incluem gastos como educação e saúde.

"Quem declarar [o filho] como dependente, poderá usar as despesas [para dedução]. Quem não ficar como dependente, poderá informá-lo apenas como alimentando", esclareceu Adriano Marrocos, do Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e coordenador da Comissão de Imposto de Renda do CFC, em entrevista à Agência Brasil.

Ou seja: só o declarante responsável pela guarda do filho poderá colocá-lo como dependente, de acordo com o que ficou estabelecido judicialmente. Se o filho recebe pensão, todos os rendimentos devem ser registrados na declaração. Já quem paga a pensão deve incluir o filho como alimentando.

"Após o divórcio, sai a decisão sobre a pensão alimentícia. Essa questão é muito importante porque quem for pagar a pensão precisa informar o menor como alimentando e não pode utilizar nenhuma despesa, ainda que possa ter pago, como dedutível. Marrocos citou um exemplo: "se o casal se separa e o filho precisa fazer uma cirurgia de emergência, aí o pai ou a mãe, que tem a guarda, pede ajuda para a emergência. E o outro vai lá e ajuda [a pagar a despesa]. Ele ajudou na condição de pai/mãe. Mas ele não pode utilizar como despesa para o Imposto de Renda. Só pode usar despesa quem tem a guarda".

Já quem tem a guarda pode incluir o filho como dependente na declaração e lançar todas as despesas que teve com ele. Mas há um detalhe: nem sempre vale a pena declarar o filho como dependente. Algumas vezes, sugeriu o conselheiro, pode ser mais vantajoso fazer uma declaração separada para o filho. A recomendação, nesse caso, é um teste antes de preencher a declaração.

"A gente recomenda fazer um ensaio com a declaração. Como todos os menores hoje têm CPF, recomendamos fazer o tributo 'ensaio'. Vamos supor que você tenha a guarda. Você preenche sua declaração só com você [sem os dados do filho] e suas despesas e anota o valor a pagar ou a restituir. Depois, inclui o menor como seu dependente e todas as despesas que teve com ele. E aí compara o valor a restituir ou a pagar com ele na declaração com o ensaio que você fez antes. Via de regra, dependendo do valor da pensão, é mais vantajoso não incluir o menor como dependente no Imposto de Renda. E fazer uma declaração em separado. Temos situações interessantes como o de uma criança de 6 anos declarando Imposto de Renda", disse Marrocos.

Divórcio não concluído

Se o processo sobre o divórcio ainda não estiver concluído, o casal pode fazer a declaração de forma separada, mas deve decidir qual dos dois vai colocar o filho como dependente. "Por exemplo, o casal se separou, mas não tem ainda nenhuma decisão judicial a respeito da separação. Não tendo nenhuma decisão judicial, eles poderão, cada um, fazer a sua declaração e usar as despesas conforme o acordo feito. Mas o dependente só pode ser dependente em uma das declarações. É como se eles ainda estivessem casados e fazendo a declaração separadamente", explicou.

"Se eles ainda não tiveram o divórcio ou não se separaram ainda em processo judicial, é como se estivessem casados para a Receita Federal. Eles podem entregar a declaração provavelmente em separado, e um dos dois lados usar o menor como dependente, sem citar nada do divórcio. Vão preencher [a declaração] como se estivessem casados ainda. Mas tendo a decisão judicial, ela deve dizer quem é o responsável pela guarda do menor. Quem ficar responsável pela guarda, vai colocá-lo como dependente. E, o outro, como alimentando", esclareceu.

A exceção à regra ocorre somente no ano em que o filho deixa de ser dependente e passa a ser alimentando. Para exemplificar, se o pai declarava o filho como dependente e, após o divórcio no ano passado, a mãe obteve a guarda do filho e o pai passou a pagar a pensão alimentícia, ele poderá inclui-lo tanto como dependente quanto como alimentando na declaração deste ano. Mas isso somente este ano. Nas declarações futuras, terá de declará-lo como alimentando.

"No ano da separação, aquele que fica como alimentando tem que preencher os dois campos. Vamos supor que ele ficou como dependente do pai nas declarações anteriores. No ano da separação, ele [pai] vai informar que o filho foi dependente dele no período tal e depois passou a se tornar alimentando. Isso pode ocorrer", disse Marrocos, citando um exemplo. "Vamos supor que a separação ocorreu em agosto. De janeiro a julho, ele [o filho] vai aparecer como dependente e, de agosto a dezembro, como alimentando".

No caso de guarda compartilhada, cada filho pode ser considerado dependente de apenas um dos pais. "Só um dos dois poderá usar a despesa do dependente", acrescentou.

Ajuda

O especialista orienta que a melhor decisão para um casal divorciado é procurar a ajuda de um contador para preencher as informações do Imposto de Renda. "Como é uma questão muito delicada, que envolve relacionamento, e afeta diretamente a parte mais sensível, que é o bolso, a gente sempre recomenda procurar uma orientação especializada. Não deixe de conversar com um contador, de levar toda a sua documentação, a decisão judicial, os valores que foram pagos e recebidos, até porque quem tem a guarda e recebe o valor da pensão, esse valor está no Imposto de Renda. Leve as informações, converse com o contador a fim de definir a melhor opção para você pagar menos imposto ou obter a maior restituição", alertou.


Economia
07 Abril 2021 13:52:00
Autor: Por: Agência Brasil

Terminais devem receber R$ 6,1 bilhões em investimentos

$artigoImagemTitulo

Em leilão realizado hoje (7) na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), foram concedidos 22 aeroportos em 12 estados, arrecadando-se R$ 3,3 bilhões em outorgas. A concorrência foi feita pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em três blocos: Norte, Sul e Central.

A Companhia de Participações em Concessões, parte do grupo CCR, arrematou o bloco Sul, por R$ 2,1 bilhões, e o lote Central, por R$ 754 milhões. Os lances representam, respectivamente, ágio de 1.534% e 9.156% em relação aos lances mínimos. A Vinci Airports ficou com o bloco Norte, pagando R$ 420 milhões, um ágio de 777% sobre o preço mínimo estipulado.

Os blocos

Estão no bloco Norte os aeroportos de Manaus (AM), Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Cruzeiro do Sul (AC), Tabatinga (AM), Tefé (AM) e Boa Vista (RR). O lance mínimo havia sido estipulado em 47,9 milhões.

No bloco Sul foram concedidos os terminais de Curitiba (PR), Foz do Iguaçu (PR), Navegantes (SC), Londrina (PR), Joinville (SC), Bacacheri (PR), Pelotas (RS), Uruguaiana (RS) e Bagé (RS). O valor mínimo para esse lote era de R$ 130,2 bilhões.

O bloco Central é composto pelos aeroportos de Goiânia (GO), São Luís (MA), Teresina (PI), Palmas (TO), Petrolina (PE) e Imperatriz (MA). O lance mínimo era de R$ 8,1 milhões.

O Ministério da Infraestrutura espera que os terminais, por onde circulam cerca de 24 milhões de passageiros por ano, recebam aproximadamente R$ 6,1 bilhões em investimentos. Devem, segundo o ministério, ser investidos R$ 2,85 bilhões no bloco Sul, R$ 1,8 bilhão no Central e R$ 1,4 bilhão no Norte. Os contratos de concessão tem validade de 30 anos.


06 Abril 2021 11:16:00
Autor: Por: RCN

Segundo a Epagri, dois fatores contribuem com a alta nos preços: a desvalorização do real e a forte demanda do mercado chinês

$artigoImagemTitulo

A cotação de preços de grãos como milho e soja voltou a subir em março em Santa Catarina. Segundo informações da Epagri, o valor médio pago no atacado pela saca de 60 kg de milho amarelo subiu de R$ 88,55, em fevereiro, para R$ 90,36, em março, o maior valor da história. A alta é de 2,04%. Na comparação com o mesmo período de 2020, quando a saca era cotada a R$ 51,37, o aumento é de 75,9%.

Já em relação à soja, o preço da saca de 60 kg passou de R$ 171,51, em fevereiro, para R$ 175,35, em março, alta de 2,71%. Apesar do crescimento pequeno na passagem mensal, o valor consolidou-se em patamar muito acima do praticado em anos anteriores. Em março de 2020, por exemplo, na comparação anual, a saca era cotada a R$ 92,77. Ou seja, quase dobrou em 12 meses.

Segundo a Epagri, dois fatores contribuem com a alta nos preços. Um deles é a desvalorização do real frente ao dólar, o que significa que os produtores ganham nominalmente mais com a moeda americana, que esteve acima de R$ 5,50 durante o período. Outro fator é a forte demanda do mercado chinês, principalmente em relação à soja, somado à baixa nos estoques mundiais.

Em Santa Catarina, os preços em alta causam efeitos opostos. Produtores comemoram valores recordes e ganhos nunca antes registrados, apesar da baixa produtividade. Por outro lado, as agroindústrias, que consomem grãos para ração de animais, têm aumento de custos e tendem a repassar o efeito ao consumidor.

A colheita dos grãos no Estado está ocorrendo de maneira tardia na safra 2020/2021 devido aos efeitos da estiagem. Em algumas regiões foi necessário o replantio. De acordo com os dados da Epagri, a falta de chuvas provocou quebra de 7% na produção de soja e de 23,5% na produção de milho no Estado. 


06 Abril 2021 09:28:00
Autor: Por: Assessoria

Sistema de cooperativas financeiras oferece serviços e produtos financeiros completos com taxas mais justas e acredita no desenvolvimento de pessoas e comunidades

$artigoImagemTitulo

O Sicoob, instituição financeira cooperativa, que completou 23 anos como uma propulsora do desenvolvimento econômico e social nos quatro cantos do País em 2020, registrou aumento de 34,4% em ativos totais no ano passado, saindo de R$ 117,3 bilhões no fim de 2019 e saltando para R$ 157,7 bilhões. Presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sicoob disponibiliza portfólio completo de serviços e produtos financeiros tanto em seus mais de 3,4 mil pontos de atendimento físico quanto em um amplo conjunto de meios digitais, onde contou com 3,1 milhões de usuários do App Sicoob, em dezembro de 2020, ante 2,4 milhões no mesmo período em 2019.

O patrimônio líquido atingiu R$ 26 bilhões no 4º trimestre de 2020, ante R$ 23,2 bilhões no mesmo período de 2019, um crescimento de 12,4%. O saldo de crédito alcançou R$ 88,7 bilhões no 4T20, avançando 36% na mesma comparação. Em depósitos totais, houve crescimento de 45,1%, já que o Sicoob chegou a R$ 107,6 bilhões neste quesito.

"Acreditamos que cada vez mais as pessoas têm buscado alternativas financeiras com condições comerciais competitivas e conscientes e isso contribui muito para o crescimento sustentável do Sicoob. A excelência no atendimento, aumento na oferta de serviços e produtos e especialização no atendimento às necessidades dos nossos cooperados fazem com que o caminho que vem pela frente seja ainda mais próspero", diz Marco Aurélio Almada, diretor-presidente do Sicoob.

Nas cooperativas financeiras, os cooperados são os verdadeiros donos do negócio, já que têm direito a voto nas decisões e participam da distribuição dos resultados da instituição. Em 2020, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, o Sicoob investiu ainda mais em tecnologia e inovação para adaptar seus processos aos novos tempos.

Com isso, possibilitou a realização de assembleias e feiras virtuais e o reconhecimento facial via aplicativo para liberação de senhas, tokens e acessos - evitando, assim, o deslocamento de cooperados em todo o País. Também facilitou o processo de filiação às cooperativas, unificando aplicativos e tornando a experiência do usuário cada vez melhor.

Outro dado que corrobora o grande crescimento do Sicoob são as sobras, equivalente ao lucro em empresas não-cooperativas, só que no caso do Sicoob, revertido aos cooperados, observando a legislação vigente. Em 2020, a soma chegou a R$ 3,2 bilhões, um incremento de 34,6% com relação ao ano anterior. O papel desempenhado pelo Sicoob, tanto em grandes metrópoles quanto em áreas mais remotas do Brasil, representa um importante fator de desenvolvimento das economias locais, movimentando e reciclando seus recursos financeiros nas próprias comunidades onde atuam.

Atualmente, o Sicoob é a única instituição financeira presente em 307 municípios. Em 2020, foram abertas 197 novas agências no País, crescimento de 6,0% com relação a 2019. Além disso, as cooperativas oferecem a mesma segurança proporcionada pelos bancos porque é fiscalizada pelo Banco Central e conta com o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito, similar ao Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Assim, fechou o ano com mais de 5,1 milhões de cooperados.

Ao fim de 2020, o Sicoob foi indicado como a 11ª maior instituição financeira do País de acordo com o Valor Grandes Grupos, anuário produzido por um dos veículos de comunicação de maior credibilidade no Brasil, o Valor Econômico. O Sicoob ocupou, ainda, a 47ª posição no ranking dos 200 maiores grupos empresariais do país, segundo o Guia Melhores e Maiores, da Revista Exame.

O Sicoob é composto por 372 cooperativas singulares, 16 cooperativas centrais, banco cooperativo e empresas de soluções de pagamento, consórcios, previdência, seguros, distribuição de títulos e valores mobiliários, além de instituto voltado para o investimento social.



06 Abril 2021 08:57:00
Autor: Por:Ç RCN

Mais de R$ 3,3 bilhões em financiamentos foram operacionalizados por meio dos programas de desenvolvimento da instituição

$artigoImagemTitulo

Balanço de 2020 do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) publicado na semana passada mostra que mais de R$ 3,3 bilhões em financiamentos foram operacionalizados por meio dos programas de desenvolvimento da instituição em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná.

No período, as contratações com recursos próprios do BRDE somaram R$ 651 milhões, uma elevação de 75,1% em relação a 2019, enquanto as fontes externas corresponderam a R$ 308,4 milhões em operações, um salto de 93,6% na comparação com o ano anterior.

Para o diretor Financeiro, Marcelo Haendchen Dutra, "apesar de todas as surpresas e mudanças geradas em 2020, ganhamos a chance de enxergar novas oportunidades e perceber a importância da conexão com as pessoas. Tivemos esse belo desempenho, o terceiro melhor resultado da história do BRDE, e ajudamos muitas pessoas a não perderem seus empregos", destacou.

Em termos reais, o BRDE aumentou o valor total contratado em 28,5% ante 2019, elevando também o número de contratos efetivados em 19,5%. Sob o aspecto financeiro, o BRDE conseguiu igualmente resultados positivos diante das adversidades inicialmente previstas por conta da pandemia: o resultado líquido do BRDE chegou a R$ 199,3 milhões, em parte fruto da baixa inadimplência, que atingiu sua mínima histórica ao final de 2020.

Recupera Sul

Para ampliar ainda mais o auxílio aos empreendedores afetados pelas medidas de distanciamento social, principalmente as micro e pequenas empresas, em março de 2020 o BRDE lançou o Programa de Crédito Emergencial para recuperação da Economia da Região Sul - BRDE Recupera Sul. Os recursos repassados, na forma de capital de giro e microcrédito, totalizaram R$ 518,9 milhões no ano, atendendo 1.612 empresas e auxiliando na manutenção de milhares de empregos na região Sul.

Em 2020, o investimento em municípios cresceu 93% com relação a 2019, e as operações com micro e pequenas empresas, quase 80%. O apoio ao turismo foi 225% maior do que em 2019. E o programa BRDE Labs de apoio à inovação, parte do BRDE Inova, acelerou 32 startups.

"Com responsabilidade socioambiental, adotamos práticas que colaboram para o desenvolvimento sustentável, tornando o BRDE uma referência dentro de nossos estados, para atender demandas atuais e futuras", concluiu o diretor de Acompanhamento e Recuperação de Créditos, Vladimir Arthur Fey.



Economia
01 Abril 2021 15:17:00
Autor: Por Agência Brasil

Consulta será feita no site da Dataprev

$artigoImagemTitulo

Trabalhadores poderão saber se foram incluídos no auxílio emergencial 2021 a partir de amanhã (2). Inicialmente prometida para hoje, a consulta teve de ser adiada "em função da necessidade de alinhamento dos canais de atendimento dos três órgãos diretamente envolvidos no programa - Ministério da Cidadania, Dataprev e Caixa", explicou a Dataprev, em nota.

Consulta

A consulta poderá ser feita pelo Portal de Consultas da Dataprev. Para isso, o cidadão deverá informar CPF, nome completo, nome da mãe e data de nascimento.

Quem já recebe o Bolsa Família e inscritos no CadÚnico não estarão na lista da Dataprev já que, nesses casos, as parcelas serão depositadas automaticamente - desde que o beneficiário se encaixe nos critérios de elegibilidade do auxílio.

Depósitos

Segundo calendário divulgado pela Caixa, os pagamentos começam no dia 6 de abril para os trabalhadores que fazem parte do Cadastro Único e para os que se inscreveram por meio do site e do aplicativo Caixa Tem. Os depósitos serão feitos na conta poupança digital da Caixa, acessada pelo aplicativo Caixa Tem. O beneficiário do auxílio emergencial terá direito, primeiramente, à movimentação digital e, posteriormente, aos saques.

Para os beneficiários do Bolsa Família, os pagamentos começam em 16 de abril e seguirão o calendário de pagamento do benefício.

Números

Em 2021, serão pagos R$ 43 bilhões a 45,6 milhões de brasileiros que atendem aos requisitos exigidos. Do montante, R$ 23,4 bilhões serão destinados ao público já inscrito em plataformas digitais da Caixa (28,6 milhões de beneficiários), R$ 6,5 bilhões para integrantes do Cadastro Único do Governo Federal (6,3 milhões) e mais R$ 12,7 bilhões para atendidos pelo Programa Bolsa Família (10,6 milhões).

Critérios

Para conceder as quatro parcelas do auxílio emergencial este ano o governo definiu novas faixas de pagamento:

- Mulheres chefes de família: R$ 375

- Famílias com duas ou mais pessoas, exceto aquelas com mães chefes de família: R$ 250

- Auxílio para pessoas que moram sozinhas: R$ 150

Podem receber

- Famílias com renda per capita de até meio salário mínimo (R$ 550) e renda mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.300);

- Público do Bolsa Família poderá escolher o valor mais vantajoso entre os benefícios e receber somente um deles.

- Trabalhadores informais;

- Desempregados;

- Microempreendedor Individual (MEI).

Não podem receber o auxílio

- Trabalhadores com carteira assinada e servidores públicos;

- Pessoas que não movimentaram os valores do auxílio emergencial e sua extensão em 2020;

- Quem estiver com o auxílio do ano passado cancelado;

- Cidadãos que recebem benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de programa de transferência de renda federal, com exceção do Bolsa Família e do Pis/Pasep;

- Médicos e multiprofissionais;

- Beneficiários de bolsas de estudo e estagiários e similares;

- Quem teve rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019 ou tinha, em 31 de dezembro daquele ano, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;

- Cidadãos com menos de 18 anos, exceto mães adolescentes.

- Quem estiver no sistema carcerário em regime fechado ou tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de auxílio-reclusão.


Empregos formais
01 Abril 2021 09:40:00

Índice do Caged leva em conta a diferença entre admissões e desligamentos

$artigoImagemTitulo

Pomerode registrou números positivos com relação ao mercado de trabalho formal em fevereiro de 2021. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério da Economia na terça-feira, dia 30, foram 754 admissões contra 501 desligamentos, o que resulta no saldo de 253 empregos na cidade.

No acumulado do ano, Pomerode registrou 1540 admissões contra 939 desligamentos, um saldo positivo de 601 postos de trabalho.

No geral, Santa Catarina também obteve números bastante positivos. O estado abriu 33.994 vagas formais de trabalho em fevereiro de 2021, resultado de 132.831 admissões e 98.837 demissões, um aumento de 95% em relação ao mesmo mês de 2020, que registrou um saldo de 17.395 empregos. É o quarto melhor desempenho do país em volume de carteiras assinadas.

Os números de fevereiro foram os melhores do ano com crescimento de 3,9% em relação a janeiro, que teve 32.694 vagas criadas. O resultado também representa mais de 8% dos 401.639 empregos gerados em todo o território nacional no mês passado.

Em termos relativos, Santa Catarina ampliou em 3,09% o estoque de trabalhadores com carteira assinada nos últimos dois meses, o segundo maior crescimento relativo entre os estados e acima da média nacional, cuja ampliação foi de 1,68%.

Atividades econômicas

A alta na criação de vagas de emprego com carteira assinada no estado foi impulsionada em fevereiro pela Construção, com a criação de 2.389 postos, uma variação de 2,04%.

Em números absolutos, as atividades de serviços foram o grande destaque, com a criação de 14.883 postos, com uma variação de 1,81%. O resultado foi puxado, principalmente, por setores como administração pública (3.499), educação (2.481), saúde (1.159) e atividades de limpeza (1.473).

Na indústria, que também apresentou excelente desempenho com a segunda maior variação (1,92%) entre os grandes grupamentos, os subsetores que mais contribuíram foram a confecção de artigos do vestuário (3.236), produtos têxteis (1.466) e produtos alimentícios (1.394).


Economia
31 Março 2021 17:23:00
Autor: Por: Agência Brasil

Confira o pronunciamento sobre o ínicio do pagamento do auxílio

$artigoImagemTitulo

Milhões de famílias em situação de vulnerabilidade social começam a receber, na próxima terça-feira (6), a primeira das quatro parcelas do novo auxílio emergencial. O governo federal prevê conceder o benefício a cerca de 45,6 milhões de pessoas, este ano.

Os recursos serão depositados nas contas digitais que abertas pela Caixa para os beneficiários no ano passado.

Calendário

Na terça-feira, começam a receber os trabalhadores informais, microempreendedores individuais, desempregados e outras pessoas afetadas pela pandemia da covid-19 nascidas no mês de janeiro, além de integrantes do Cadastro Único do governo federal.

Beneficiários do Bolsa Família receberão de acordo com o calendário habitual do programa, que, em abril, começa a ser pago no dia 16.

As pessoas não terão direito a sacar os recursos no mesmo dia em que receberem, conforme explicou o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, durante anúncio feito no Palácio do Planalto, esta manhã.

O objetivo do escalonamento é motivar as pessoas a usarem os dispositivos digitais e, assim, evitar a ida a bancos e agências lotéricas. "Nossa expectativa é que mais da metade das pessoas realize o pagamento de contas digitalmente", disse Guimarães. "Já temos tudo muito bem organizado. Vamos minimizar as filas, pagando o mais rápido possível, com o mínimo de aglomeração possível", acrescentou Guimarães.

O calendário completo de pagamentos e saques consta da Portaria nº 622, que o Ministério da Cidadania publicou hoje (31), no Diário Oficial da União.

Cerca de R$ 44 bilhões foram destinados ao auxílio emergencial por meio da promulgação da Emenda Constitucional 109/2021, a chamada PEC Emergencial.

A emenda constitucional abriu caminho para que o governo federal ultrapasse o limite do teto de gastos, sem comprometer a meta de resultado fiscal primário e sem afetar a chamada regra de ouro (espécie de teto de endividamento público para financiar gastos correntes).

Parcelas

Conforme destacou o ministro da Cidadania, João Roma, durante o anúncio desta manhã, as quatro parcelas de, em média, R$ 250, serão pagas a uma pessoa por família, sendo que mulheres chefes de família receberão R$ 375, enquanto indivíduos que vivem só - família unipessoal - receberão R$ 150.

Do valor total estabelecido pelo Congresso Nacional, R$ 23,4 bilhões serão destinados ao público já inscrito em plataformas digitais da Caixa, R$ 6,5 bilhões para integrantes do Cadastro Único do Governo Federal e R$ 12,7 bilhões para atendidos pelo Bolsa Família.

"Este é um alento para o povo brasileiro. São recursos públicos direcionados para o brasileiro vulnerável, para as pessoas que estão passando muitas dificuldades", comentou Roma, lembrando que o auxílio será concedido automaticamente ao trabalhador informal com renda per capita de até meio salário mínimo e renda mensal total de até três salários mínimos que recebeu o benefício em dezembro de 2020 e que continue fazendo jus à ajuda federal. "O auxílio é uma ferramenta para minimizar o sofrimento e fazer com que nosso povo consiga superar esta pandemia."

Atividade econômica

Durante o anúncio, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a necessidade de retomada de atividades comerciais. "Tínhamos e temos dois inimigos: o vírus e o desemprego. E não é ficando em casa que vamos solucionar este problema", declarou o presidente, criticando as medidas que restringem o funcionamento de atividades consideradas não essenciais.

"Esta política continua sendo adotada. O espírito dela era buscar achatar a curva de contaminação enquanto os hospitais se preparavam com leitos de UTI e respiradores, para que pessoas não viessem a perder suas vidas por falta de atendimento. O governo federal dispensou bilhões de reais para a Saúde e sabe que não pode continuar por muito tempo com este auxílio [emergencial], que é um custo para toda a população e pode desequilibrar nossa economia", declarou Bolsonaro.

"O Brasil tem que voltar a trabalhar. A fome está batendo cada vez mais forte na casa destas pessoas. Eu temo por problemas sociais gravíssimos no Brasil. O [valor do] auxílio é pouco, reconheço, mas é o que a nação pode dispensar à população", acrescentou.

Ele apelou para que governadores e prefeitos "revejam" a adoção de medidas restritivas que, segundo o presidente, em alguns casos, "superam, e muito, o que seria [a decretação] de um estado de sítio".

"A população não só quer, como precisa trabalhar. Nenhuma nação se sustenta por muito tempo com este tipo de política. Queremos voltar à normalidade o mais rápido possível", enfatizou o presidente.

Ele destacou que, em termos de vacinação, o Brasil está "em uma posição bastante privilegiada" quando comparado a outros países. O Brasil atingiu, ontem, a marca de 8% da população vacinada com a primeira dose. "Gostaríamos de ser o primeiro, mas fazemos o possível para atender à população com vacinas".

Auxílio emergencial em 2020

Em 2020, o governo federal destinou R$ 295 bilhões ao pagamento do auxílio emergencial e de sua extensão, beneficiando diretamente a 68 milhões de pessoas.

Instituída pela Lei nº 13.982, de 2 de abril de 2020, a ajuda foi paga em cinco parcelas de R$ 600 ou R$ 1.200 para mulheres provedoras de família monoparental, enquanto a extensão do auxílio emergencial (MP nº 1000 - MIL) teve até 4 parcelas de R$ 300 para o público geral e de R$ 600 para a cota dupla.

Na página do Ministério da Cidadania é possível esclarecer dúvidas sobre o auxílio emergencial.

Hoje (31), às 15h, a Caixa Econômica Federal concederá entrevista coletiva sobre o pagamento do novo auxílio.

Confira o pronunciamento, nesta manhã, no Palácio do Planalto:



Economia
31 Março 2021 09:15:00

Para 2022, a projeção é de crescimento de 2,8% do PIB

$artigoImagemTitulo

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou hoje (30) que projeta crescimento de 3% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos no país) em 2021, com queda estimada de 0,5% no primeiro trimestre do ano, na comparação com ajuste sazonal.

"Além do impacto da pandemia e do endurecimento das medidas de isolamento social por parte de governos estaduais e municipais sobre o ritmo da economia, as previsões para 2021 também levam em conta as incertezas quanto à capacidade de se promover os ajustes nas contas públicas necessários para uma trajetória fiscal equilibrada", disse o Ipea.

Segundo o estudo, outro fator de risco é a aceleração inflacionária, refletindo a alta nos preços administrados acima do esperado no início deste ano e a desvalorização cambial, com impactos principalmente nos preços dos alimentos e dos bens industriais.

A análise da conjuntura econômica brasileira também aponta que o segundo semestre do ano deve ser marcado pela retomada do crescimento do PIB e pelo aumento da confiança de consumidores e empresários a partir do avanço da cobertura vacinal contra a covid-19. "As hipóteses cruciais desse cenário são que as questões associadas a? pandemia ja? estejam sob controle e que seja possível conter as atuais incertezas fiscais", disse o instituto.

Para 2022, a projeção é de crescimento de 2,8% do PIB, em um cenário de manutenção da retomada da atividade econômica esperada para o segundo semestre deste ano. Embora o crescimento projetado para 2022 seja um pouco menor que o de 2021, o esforço de crescimento ao longo do ano que vem seria maior, pois a base de comparação - o PIB de 2021- é significativamente maior, segundo o Ipea.

O instituto espera que a atual trajetória de alta dos preços internacionais das commodities contribua positivamente para a retomada da economia brasileira, mas, ao mesmo tempo, essa alta pressiona a inflação. A estimativa do Ipea para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2021 é de 4,6% de variação. Para 2022, no contexto de uma política monetária mais apertada e sob a hipótese de que as atuais incertezas fiscais sejam controladas, o IPCA deve variar 3,4%.?


Economia
31 Março 2021 09:09:00
Autor: Por: Agência Brasil

Uso para pagamentos segue em análise

$artigoImagemTitulo

Horas depois de o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, anunciar que o órgão liberaria transações pelo WhatsApp, o BC autorizou oficialmente as transferências bancárias pelo aplicativo. A decisão foi anunciada na noite desta terça-feira (30) pela autoridade monetária.

A empresa Facebook Pagamentos do Brasil, dona do WhatsApp, foi aprovada como "iniciador de transações". As operadoras Visa e Mastercard receberam autorizações de dois arranjos de pagamentos: transferência/depósito e operações pré-pagas, em que o cliente abastece uma carteira virtual com dinheiro para gastar mais tarde.

As operações só poderão ser feitas dentro do Brasil. Transações com o exterior estão vetadas. Os pagamentos de compras por meio da plataforma Facebook Pay, que haviam sido pedidos pelas operadoras, continuam sob análise e não foram incluídos na autorização.

Em nota, o Banco Central informou que as autorizações "poderão abrir novas perspectivas de redução de custos para os usuários de serviços de pagamentos". As transferências e as contas pré-pagas estarão disponíveis assim que o WhatsApp liberar a modalidade. Caberá ao próprio aplicativo definir as tarifas de transação.

Em junho do ano passado, o BC suspendeu o teste que o Facebook tinha começado a fazer no Brasil. Em parceria com as operadoras Visa e Mastercard, pessoas físicas e empresas poderiam usar a função pagamento dentro do aplicativo para transferirem dinheiro e fazerem pagamentos no país e em reais. O BC, na época, interrompeu o serviço para verificar os riscos da nova tecnologia.


Mercado de Trabalho
30 Março 2021 14:48:00
Autor: Por RCN

$artigoImagemTitulo

Santa Catarina encerrou fevereiro com um saldo positivo de 33.994 vagas de empregos formais, segundo dados do Caged divulgados nesta terça-feira (30). O número é a diferença entre 132.831 admissões e 98.837 desligamentos no período e contabiliza apenas empregos com carteira assinada.

Todos os setores do Estado registraram saldo positivo de contratações. Destaque para os serviços (saldo de 14.883), seguido de indústria (14.106), construção (2.389), comércio (2.268) e agropecuária (348).

Em fevereiro, Santa Catarina teve o quarto maior saldo absoluto entre os estados. Ficou atrás de São Paulo (saldo de 128 mil), Minas Gerais (51,9 mil), e Paraná (41,6 mil). Mas ficou à frente de estados como Ceará (30 mil), Rio Grande do Sul (29,5 mil), e Rio de Janeiro (15,5 mil).

Do saldo gerado no Estado, a maior parte está destinada para jovens entre 18 e 24 anos (+11,8 mil) e trabalhadores com ensino médio completo (+16,5 mil).

Com a alta de fevereiro somada ao saldo de janeiro, Santa Catarina abriu 66.688 postos formais de trabalho em 2021. A indústria lidera como setor que mais gerou vagas com 58 mil; na sequência estão serviços (37,8 mil), comércio (8 mil), construção (7,7 mil), e agropecuária (4,6 mil).



Economia
26 Março 2021 11:50:00
Autor: Por Agência Brasil

Governo retomará medidas de apoio econômico em abril

$artigoImagemTitulo

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (25) que o governo vai reeditar o programa que permite a redução de jornadas e salários ou suspensão do contrato de trabalho. O Benefício Emergencial para Preservação do Emprego e da Renda (BEm), como foi batizado o programa, vigorou até o final do ano passado e, segundo o governo, ajudou a preservar cerca de 10,2 milhões de empregos e mais de 1,5 milhão de empresas.

"O nosso conhecido BEm está em vias entrar em campo pela segunda vez, fazendo com que aproximadamente 11 milhões de pessoas não percam o seu emprego", afirmou o presidente durante uma cerimônia, no Palácio do Planalto, para anunciar a nova linha de crédito da Caixa Econômica Federal para as Santas Casas e demais hospitais filantrópicos.

Bolsonaro também afirmou que o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) deverá atender o setor de bares e restaurantes, um dos que mais têm sido afetados pela crise. O Pronampe foi criado em maio do ano passado para auxiliar financeiramente os pequenos negócios e, ao mesmo tempo, manter empregos durante a pandemia de covid-19.

As duas medidas se somam à retomada do Auxílio Emergencial, também citada pelo presidente em seu discurso, e que dessa vez deve atender cerca de 45,6 milhões de famílias ao custo de R$ 43 bilhões. "Iniciaremos agora, no início do mês de abril, um prolongamento desse programa, com quatro parcelas que, em média, equivalem a R$ 250. Sabemos que não é muito, mas representa algo para quem realmente necessita."

Santas Casas

Na solenidade no Planalto, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, anunciou a destinação de R$ 3,4 bilhões para uma linha de crédito voltada às Santas Casas e hospitais filantrópicos. Ele também confirmou a possibilidade de uma pausa de 180 dias nos contratos de crédito em andamento desses hospitais com o banco, a ampliação do prazo de pagamento de 84 para 120 meses (de 7 para 10 anos), além da disponibilização da nova modalidade de crédito com taxa pós-fixada de 0,29% ao mês + Certificado de Depósito Bancário (CDI), totalizando 6,3% ao ano.

"As taxas de juros para as Santas Casas chegavam a mais de 25% ao ano e, como vocês vão ver, nós reduzimos para algo em torno de 6%, com um volume muito grande de pausas, e querendo chegar a todas as 1.650 Santas Casas de todo o Brasil", afirmou Guimarães.

Atualmente, cerca de 290 entidades são atendidas pela linha Caixa Hospitais, destinada a instituições privadas que prestam serviços ao Sistema Único de Saúde (SUS) e podem adiantar recursos a receber do Ministério da Saúde. Ao todo, essas instituições abrigam 36 mil leitos hospitalares e 7 mil leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Os empréstimos de R$ 3,4 bilhões representam aproximadamente 35% das dívidas dessas instituições no mercado financeiro.

No ano passado, o banco havia reduzido a taxa média do Caixa Hospitais em 45% na comparação com os juros cobrados até 2018. Segundo a Caixa, a nova linha de crédito permitirá às entidades acessarem condições ainda melhores, de acordo com o perfil.


Desenvolvimento Econômico
26 Março 2021 09:13:00
Autor: Por Governo do Estado

$artigoImagemTitulo

Com o objetivo de apoiar as empresas comandadas por mulheres, gerar novas oportunidades e assim reduzir as desigualdades, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) está disponibilizando, a partir desta quinta-feira, 25, um programa de crédito voltado exclusivamente ao empreendedorismo feminino. Com possibilidade de financiamento para investimentos fixos e capital de giro, incluindo micro e pequenas empresas, o BRDE Empreendedoras do Sul vai atender clientes nos três estados do Sul: Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná.

Além de recursos próprios, o BRDE vai se valer de outros fundigns nacionais e de captação de recursos em organismos internacionais para atender a demanda. O programa é direcionado para empresas de diferentes portes que tenham ao menos 50% do seu capital social de sócias mulheres. A oferta de crédito para capital de giro é reservada apenas para pessoas jurídicas e com receita operacional bruta de até no máximo de R$ 90 milhões no ano anterior ao pedido.

As produtoras rurais poderão acessar as linhas repassadas pelo BRDE por meio do Plano Safra. Já as microempreendedoras individuais e pessoas físicas poderão ter o apoio através de parcerias do banco com outras instituições que atuam com programas de microcrédito, como as cooperativas.

"O programa Empreendedoras do Sul significa um grande esforço da instituição que vai além do seu papel de agente do desenvolvimento do Sul do país. Fomentar o empreendedorismo das mulheres representa um passo importante em termos de inserção social", definiu a diretora-presidente do BRDE, Leany Lemos.

O diretor financeiro do BRDE, Marcelo Haendchen Dutra reforça que "com o novo programa, o banco traz uma oferta exclusiva de crédito com condições atrativas e por meio de uma análise simplificada dos pedidos de financiamento, permitindo que as mulheres tenham o efetivo apoio para suas empresas".

Por meio do programa, o BRDE está se comprometendo também em reduzir as tarifas de análise e fiscalização dos contratos, assim como o percentual de comissão interna, explica o diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito, Vladimir Arthur Fey. "Com isso o custo final do financiamento ficará, em média, entre taxa Selic mais 4,5% ao ano nos casos de crédito para capital de giro e de Selic mais 4%, quando destinado a investimento fixo".

O que é possível financiar?

Destinado a auxiliar as empresas lideradas por mulheres a reorganizarem suas finanças e comprar matéria-prima, por exemplo, o crédito para capital de giro está limitado a 20% do faturamento bruto registrado no ano anterior ao pedido. Já para investimento fixo, não há limite fixado no programa. O valor máximo de apoio será definido a partir do projeto e da capacidade de pagamento calculada pelo banco, permitindo à empresa investimentos de longo prazo, buscando a expansão, modernização e inovação da sua atividade, incluindo a produção e o consumo sustentável. Será possível financiar obras de construção ou reforma, compra de equipamentos nacionais ou do exterior, adaptações de tecnologia e para capital de giro associado ao projeto.

Como acessar

Para solicitar o financiamento, as empresas devem acessar o site, no ambiente do Internet Banking (IB). Todos as operações serão na plataforma digital e a documentação deverá ser inserida (upload) no site. O app do BRDE também traz as informações sobre o programa.


Economia
25 Março 2021 14:27:00
Autor: Por Agência Brasil

Ministro defendeu a vacinação em massa para retomada da economia

$artigoImagemTitulo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu hoje (25) que apenas a vacinação em massa dos brasileiros, associada a um isolamento "mais inteligente e seletivo", será capaz de garantir a sólida retomada da economia.

Na direção do que prometeu ontem (24) o novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, Guedes disse que, se o país passar a vacinar 1 milhão de pessoas, por dia, haverá um novo quadro em dois meses.

"Se nós conseguirmos isso, é possível que, em 60 dias, nós tenhamos um novo horizonte completamente diferente pela frente: um país que pode retomar o crescimento - e que já estava retomando", avaliou.

"Então, nós agora fazemos essa desaceleração do contágio com, justamente, um isolamento um pouco mais inteligente, um pouco mais seletivo, e reaceleramos as vacinas, e, em 60 dias, podemos estar num cenário já completamente diferente", garantiu Guedes, em audiência pública da Comissão Temporária da Covid-19, no Senado.

Sobre a demora na vacinação destacada por banqueiros em carta esta semana, Guedes disse que o Brasil vai acelerar a imunização da população. "Se não aceleramos antes pode ter havido uma falha mas como é outra área não vou nem comentar, mas estamos de acordo com os economistas", ressaltou.

Orçamento

Guedes cobrou dos parlamentares a votação da proposta de Lei orçamentária. Se o Congresso aprovar hoje o Orçamento, o governo pode antecipar o pagamento de benefícios de pensionistas e de aposentados, além de liberar o auxílio emergencial.

"Assim, mais R$ 50 bilhões vêm de dezembro para agora. Então, vamos proteger os mais vulneráveis, os idosos, nessa segunda grande guerra contra o coronavírus. Esses recursos podem vir, de novo, sem impacto fiscal, porque é apenas uma antecipação de recursos dentro do mesmo ano. (...) O que for possível fazer sem impacto fiscal disparamos imediatamente", disse o ministro.

Para o ministro, é preciso "manter novamente os sinais vitais da economia batendo", e por isso, segundo ele, o governo está repetindo agora o protocolo que adotou na "primeira guerra contra o vírus", no ano passado.

Pequenas e médias

Outra medida para socorrer a economia, lembrada por Guedes, foi o adiamento de impostos para as pequenas e médias empresas.

"As pequenininhas, que estão sendo fechadas - bares, restaurantes, as pequenininhas. Então, elas agora também vão ter esse diferimento. Isso é em torno de R$ 27 bilhões que nós não retiraremos de circulação - R$ 27 bilhões nos próximos três meses. Então, em abril, maio e junho, não recolhem impostos os pequenininhos e todo mundo que paga Simples e pagam, então, no próximo semestre em prestações", disse.



25 Março 2021 10:41:00
Autor: Por RCN

Índices de desempenho econômico de fevereiro mostram dados positivos, mas restrições e aumento de casos ameaçam retomada

$artigoImagemTitulo

Em meio ao caos no sistema de saúde nos três primeiros meses de 2021, Santa Catarina apresenta bons números no cenário econômico. Um dos mais recentes é a taxa de desocupação, medida pelo IBGE, que caiu de 6,6% para 5,3% no último trimestre de 2020. Com a queda, o número de desocupados no Estado passou de 242 mil para 196 mil, redução de 19%.

Os dados mostram ainda que o crescimento do emprego foi acompanhado do crescimento da informalidade. O volume de funcionários sem carteira assinada avançou no período (+49 mil) na comparação com os que têm carteira assinada (-21 mil). Além disso, a massa de trabalhadores por conta própria bateu recorde: 868 mil, o maior número da história. No rendimento, também houve pontos positivos, diz o IBGE. Os ganhos recebidos pelo catarinense no último trimestre de 2020 foram de R$ 2.786, levemente superior aos R$ 2.769 de antes da pandemia.

O bom momento do mercado de trabalho é refletido no setor de comércio e serviços: 67,7% dos empresários da área pretendem aumentar o quadro de funcionários nos próximos meses. Na contramão, 32,2% cogitam reduzir o número de empregados. Isso porque a maioria (86,9%) acredita que a economia brasileira vai melhorar um pouco ou muito no futuro; 13,1% prevê piora leve ou grave. Os dados, apurados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de SC (Fecomércio/SC), apontam também que a confiança do empresário do setor permanece em alta: marcou 119,5 pontos, na escala de 0 a 200.

"As condições econômicas melhoraram porque a geração de emprego foi grande. Isso conseguiu, de certa forma, promover renda", disse o economista da entidade, Leonardo Regis. Apesar disso, ele alerta que o avanço da pandemia e a suspensão de atividades deve trazer efeitos negativos e incertezas.

Na indústria, o destaque foi o aumento na produção de 10,1% em janeiro de 2021 na comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com o IBGE. "Isso mostra uma recuperação importante depois das quedas no ano passado e um desempenho muito importante da indústria como um todo, e em particular da indústria exportadora", disse o diretor de Inovação e Competitividade da Federação das Indústrias de SC (Fiesc), José Eduardo Fiates.

A entidade aponta ainda que, em fevereiro, o índice de intenção de investir na indústria chegou ao maior patamar dos últimos cinco anos para o mês: 73 pontos, na escala de 0 a 100, o que reflete otimismo com o futuro do setor.



Economia
25 Março 2021 09:16:00
Autor: Por Agência Brasil

Parcelas voltarão a ser pagas em julho em seis prestações

$artigoImagemTitulo

Os micro e pequenos empresários e os microempreendedores individuais (MEI) deixarão de pagar as parcelas do Simples Nacional pelos próximos três meses, de abril a junho, anunciou há pouco o secretário especial da Receita Federal, José Barroso Tostes Neto. A medida foi decidida hoje (24) em reunião extraordinária do Comitê Gestor do Simples Nacional.

De julho a dezembro, os tributos que deixaram de ser recolhidos serão pagos em seis prestações. A medida, informou Tostes Neto, ajudará 5,5 milhões de micro e pequenas empresas e 11,8 milhões de MEI e envolverá a postergação do pagamento de R$ 27,8 bilhões em tributos federais, estaduais e municipais.

A medida será publicada no Diário Oficial da União de amanhã (25). Segundo Tostes Neto, o adiamento beneficiará segmentos da economia que mais geram empregos em meio ao agravamento da pandemia de covid-19.

"Com esse diferimento, estamos adotando uma medida de alívio para dar fôlego a esse universo de contribuintes ter melhores condições de ultrapassar esse período mais crítico em que os impactos econômicos e da pandemia se fazem sentir principalmente nos negócios que estão fechados e sem a possibilidade de geração de receitas", declarou.

Imposto de Renda

O secretário da Receita ressaltou que, por enquanto, o Fisco não pensa em adiar o prazo de entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física, como ocorreu no ano passado. Segundo Tostes, o volume de entregas está superior ao registrado no mesmo período de 2020 e acima da expectativa, o que dá tempo para a Receita avaliar se há a necessidade de mudar a data.

"No caso das declarações de Imposto de Renda Pessoa Física, fazemos o monitoramento diário. Os números de hoje indicam a entrega, até o momento, de 7,826 milhões de declarações. No mesmo período do ano passado, tínhamos recebido 5,7 milhões. Os números estão até acima da expectativa. O prazo regular vai até 30 de abril. Então, temos tempo de avaliar se há a necessidade ou não de prorrogação", disse Tostes Neto.


Economia
25 Março 2021 09:00:00
Autor: Por Agência Brasil

Percentual é maior do que o observado em fevereiro (1,07%)

$artigoImagemTitulo

O Índice Nacional de Custo da Construção - M (INCC-M), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou taxa de inflação de 2% em março deste ano. O percentual é maior do que o observado em fevereiro (1,07%).

Segundo a FGV, o INCC-M acumula taxas de inflação de 4,04% no ano e de 11,95% em 12 meses.

Os materiais e equipamentos tiveram alta de preços de 4,44% em mês. O item com maior inflação foi o material metálico para estruturas, que subiu 14,15%.

Os serviços tiveram uma inflação de 0,69%, enquanto o custo da mão de obra ficou 0,28% mais caro no mês. O INCC-M é calculado com base em preços coletados em sete capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Recife, Salvador e Porto Alegre.


Mercado
24 Março 2021 14:50:00
Autor: Por RCN

$artigoImagemTitulo

Mais da metade dos catarinenses (55,2%) deve fazer as compras de Páscoa na semana que antecede a data, conforme aponta pesquisa realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de SC (Fecomércio/SC) em sete cidades do Estado.

Os produtos artesanais vêm ganhando cada vez mais espaço na preferência do consumidor: dois em cada dez pretendem comprar chocolates artesanais em 2021, 11% a mais do que no ano passado. Por outro lado, a escolha por chocolates em geral industrializados reduziu-se de 39,3% para 33,9%, acompanhando também de uma queda de 9,7% na demanda por ovos de Páscoa industrializados (24,5%).

As incertezas provocadas pela pandemia e a percepção sobre a situação financeira - 43,1% consideram que piorou- podem influenciar as compras. O consumidor deve gastar, em média, R$ 128,44 na data- queda de 13,9% na comparação com 2020 (R$ 149,11).

Pelo menos 66,3% dos entrevistados querem fazer pesquisa de preço antes de garantir os produtos. O principal destino de compras será o supermercado (53%), seguido pelo comércio de rua (20,6%), que reduziu consideravelmente a participação em relação ao ano anterior (29,3%).

Já em relação à intenção de forma de pagamento, a maioria dos consumidores estaduais tem como objetivo pagá-las à vista. A opção à vista em dinheiro ficou em 39,9%, redução considerável em relação a 2020 (71,9%). Os consumidores em Santa Catarina apresentaram maior intenção de compras no cartão de débito, que passou de 10,3% para 24,0%, seguido pelo cartão de crédito à vista (16,7%).

A pesquisa foi realizada com 1.123 pessoas, no período entre 24 de fevereiro e 9 de março, nas cidades de Blumenau, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Joinville, Lages e Itajaí.



Emprego e Relações do Trabalho
23 Março 2021 14:08:00
Autor: Por Governo do Estado

$artigoImagemTitulo

Para quem busca um novo emprego e uma recolocação no mercado de trabalho um dos caminhos é verificar as vagas ofertadas nas unidades do Sistema Nacional do Emprego de Santa Catarina (SINE/SC), integrado à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE). São 5.063 oportunidades, sendo 64 para pessoas com deficiência (PCD).

Das 124 unidades do SINE no Estado, 61 estão com oportunidades abertas. As principais funções disponíveis são nos setores da indústria, serviços e comércio, com remunerações a partir de um salário mínimo.

O Oeste segue liderando no número de vagas, com destaque para São Miguel do Oeste (1104) e Concórdia (532). Na sequência, os municípios com expressiva oferta são Tubarão (282 - 3 PCD), São José (234), Jaraguá do Sul (224) e Brusque (221 - 15 PCD). Entre os cargos com mais oportunidades aparecem operador de processo de produção, auxiliar de linha de produção, costureira, carpinteiro e monitor agrícola.

O diretor de Emprego e Renda da SDE, Diego Goulart, ressaltou a importância de conferir a disponibilidade das vagas que são ofertadas diariamente. "O número de oportunidades é disponibilizado toda semana para a população, mas os empregos são preenchidos dia a dia. Por este motivo, é preciso que o candidato fique atento. Pedimos também para aqueles que já possuem cadastro que os mantenham atualizados", disse.

Devido à pandemia, o atendimento nas unidades do SINE tem sido feito com horário marcado, pelo telefone de cada unidade, para garantir a segurança de quem vai buscar por uma oportunidade e dos servidores.

Para consultar as vagas disponíveis, os interessados podem acessar o site ou pelo aplicativo Sine Fácil, disponível gratuitamente para celulares.

Vagas por município

Araquari 87

Araranguá 23

Alberto Luz 01

Ascurra 11

Balneário Camboriú 54

Biguaçu 31

Braço do Norte 28

Blumenau 177 - PCD 14

Brusque 221 - PCD 15

Caçador 37

Camboriú 37

Campos Novos 69

Campo Belo do Sul 04

Capinzal 35

Canoinhas 28

Chapecó 90 PCD 01

Concórdia 532

Criciúma 85

Curitibanos 30

Florianópolis 129 - PCD 29

Forquilhinha 41

Fraiburgo 24

Garopaba 06

Garuva 17

Gaspar 35

Itaiópolis 186

Indaial 61

Imbituba 04

Itajaí 75 - PCD 01

Itapema 21

Ituporanga 56

Jaraguá do Sul 224

Joaçaba 83

Joinville 98 PCD 01

Lages 10

Laguna 08

Lauro Muller 04

Mafra 57

Morro da Fumaça 34

Navegantes 47

Nova Veneza 03

Palmitos 02

Papanduva 10

Pomerode 13

Ponte Serrada 01

Rio Negrinho 51

Rio do Sul 64

São Joaquim 96

São Bento do Sul 96

São Lourenço D'oeste 01

São José 234

São Miguel do Oeste 1104

Seara 61

Siderópolis 20

Tijucas 75

Timbó 04

Tubarão 282 - PCD 03

Turvo 25

Taió 20

Urussanga 23

Xanxerê 34



Endereço: Avenida 21 de Janeiro, 1845, Centro - Pomerode SC
Fone: (47) 3387-6420 | Whatsapp: (47) 99227-2173 | jornalismo@testonoticias.com.br
Sobre o jornal | Facebook | Instagram | YouTube